A primeira edição de ‘Horizonte Aberto’ abordará a temática da origem por meio de vídeos, podcasts e publicações.

A primeira edição de ‘Horizonte Aberto’ abordará a temática da origem por meio de vídeos, podcasts e publicações.

Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

O Centro Cultural Vale Maranhão lança, nesta terça-feira (27), às 19h, o programa educativo Horizonte Aberto, pensado e desenvolvido com o objetivo de produzir materiais que promovam o pensamento crítico sobre diversas
temáticas da atualidade.

Conduzido pelo Núcleo Educativo do CCVM, o Horizonte Aberto é realizado por meio de pesquisas com base em determinado conceito, que direciona a construção de uma rede de conteúdos que dialogam entre si. “A proposta do
programa é sensibilizar para uma percepção expandida sobre as coisas a partir de diversos pontos de vista, criando um horizonte propício à transformação. Visamos garantir espaço para produções culturais que estão à margem do que se impõe como linguagem artística convencionalmente, e do que é demarcado por conceitos tradicionalmente legitimadores e autoritários”, explica Ubiratã Trindade, coordenador do Núcleo Educativo do CCVM.

O programa tratará de um assunto específico por ano, abordado de formas e linguagens variadas. Para 2021, o tema escolhido foi A origem das coisas. Pensadores, artistas e outros profissionais foram convidados a falar sobre a temática a partir dos diversos campos do conhecimento e da experiência humana. Na estreia, o Horizonte Aberto receberá a musicista e pesquisadora Magda Pucci, debatendo sobre a origem da música indígena.

“O contato direto com músicos indígenas em ações artísticas e didáticas me revelou a oportunidade para criar um diálogo intercultural e propiciar uma aproximação com contextos culturais ainda invisíveis para parte da população brasileira. No vídeo, comento sobre os princípios e conceitos da pesquisa que realizei, resultado de um longo processo de releitura e ressignificação de tradições musicais indígenas brasileiras conectadas com as imagens rupestres de
sítios arqueológicos da Serra da Capivara e de Monte Alegre”, conta Magda.

Juntam-se a Magda Pucci, o rapper Thaíde, o antropólogo Pedro Cesarino, a atriz Glamour Garcia, a escritora Eliane Potiguara, o diretor de teatro Zé Celso e a cabeleireira Rosalina dos Santos Oliveira no primeiro conjunto de
conteúdos produzidos para o programa. Além dos vídeos, também estão previstos textos, disponibilização de material bibliográfico, oficinas, documentários e o lançamento de um podcast.

Conteúdo sobre sabedoria popular em produção

Outra vertente do Horizonte Aberto será o projeto Faz colher e borda o cabo. Uma espécie de “Você sabia?” que irá enaltecer e priorizar a sabedoria popular, destacando formas de criação, por meio de vivências,
tradições e dados históricos. “A abordagem humana da urgência suprime as fronteiras entre arte, vida cotidiana, estética e função. É preciso pensar o lugar do popular e entendê-lo como agente contemporâneo, detentor de conhecimento”, afirma Gabriel Gutierrez, diretor e coordenador artístico do Centro Cultural Vale Maranhão.

Todo conteúdo do Horizonte Aberto poderá ser acessado no canal do Youtube e no site da instituição, que também possui toda a programação virtual do CCVM, como cursos, shows, rodas de conversa, mostras de cinema etc.

– Publicidade –

Outros destaques