domingo, 25 de setembro de 2022

Ações são realizadas contra abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), promove, no mês de maio, ações de sensibilização e alerta sobre o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes – 18 de maio. No último domingo (22), foi realizada uma panfletagem na Feirinha de São Luís (Praça Benedito Leite).

Na ocasião foram distribuídos materiais referentes à temática, bem como, os canais de denúncia, ressaltando os Conselhos Tutelares da capital. No período de janeiro a abril de 2022, os cinco Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) contabilizaram 49 atendimentos. “A determinação do prefeito Eduardo Braide é para trabalharmos cada vez mais no enfrentamento dessa realidade. Assim, os Creas e os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) vem promovendo nos territórios palestras, rodas de conversa e participado de ações coletivas com a rede de proteção à criança e ao adolescente, com vistas a alertar a sociedade para esse grave problema e estimular a denúncia. Nosso papel é agir para cumprir com o tema principal da campanha do 18 de maio: proteger as crianças e os adolescentes da nossa cidade”, explicou a secretária adjunta de Gestão da Semcas, Ana Carla Furtado.

Os frequentadores da Feirinha de São Luís elogiaram a iniciativa. “Essa realidade é tão difícil de aceitar, saber que tem pessoas da própria família como me explicaram aqui. Infelizmente temos que lidar com isso e sermos lembrados que temos que ficar atentos para a questão, é importante também saber para quem fazer a denúncia, caso tenha necessidade”, disse a administradora Elisângela Prado.

Atendimentos

De janeiro a abril deste ano, os Creas atenderam 49 vítimas de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. A maioria são meninas de 12 a 17 anos. Os Creas são as unidades de assistência social responsáveis por atender e acompanhar pessoas que vivenciam situações de violações de direitos.

O atendimento dessas unidades se destina aos casos que chegam via judicial, delegacia e Conselho Tutelar. A procura pelo serviço é voluntária, e de acordo com as estatísticas, por vergonha ou outros motivos, a maioria dos casos que chegam às delegacias e rede de saúde não chegam na assistência social para o devido acompanhamento.

Os Creas realizam um papel importante no acompanhamento dos casos de direitos violados. Além da acolhida e escuta especializada, a unidade também desenvolve o estudo social, diagnóstico socioeconômico da família para identificar fragilidades e trabalhar no fortalecimento dos vínculos. Executa ainda, o atendimento psicossocial e a orientação jurídico social. A partir do diagnóstico pode ser necessário os encaminhamentos para a rede de serviços locais e articulação com os serviços de outras políticas públicas.

– Publicidade –

Outros destaques