sábado, 8 agosto, 2020
Início Polícia Acusados de tentativa de homicídio são levados a júri popular

Acusados de tentativa de homicídio são levados a júri popular

PorTJMA

O juiz Samir Mohana, titular de Guimarães, presidiu nesta quarta-feira (4) uma sessão do tribunal do júri na comarca. Os réus foram José Uandel Cícero Oliveira e Vitória Maria Lima de Oliveira. Eles estavam sendo acusados de tentarem contra a vida de Geraldo José Amorim, fato ocorrido em novembro de 2013. Conforme entendimento do conselho de sentença, o crime do qual os réus eram acusados foi desclassificado, decidindo que o réu José Uandel não tinha como objetivo ceifar a vida da vítima.

Consta nos autos do processo que o réu Uandel Cícero Oliveira, instigado pela própria mãe, a segunda denunciada Vitória Lima de Oliveira, teria atentado contra a vida de Geraldo José Amorim, por motivo fútil. Narra o inquérito que Vitória Maria e Geraldo José iniciaram uma discussão porque o animal de estimação da vítima, um cão, teria invadido o quintal de Vitória. A mulher, então, teria pego uma mangueira d’água e apontado para o cachorro, chamando-o de ‘desgraçado’. Incomodado com o fato, Geraldo José agrediu verbalmente a mulher.

CONFISSÃO -Ainda de acordo com o processo, Vitória Maria teria, então, chamado o filho Uandel, pedindo para que ‘matasse Geraldo’. Ato contínuo, Uandel armou-se de um facão e partiu para cima da vítima, que se protegeu com uma barra de ferro. Nesse instante, a filha da vítima o convenceu a ir embora e deixar a confusão de lado. Continua a denúncia narrando que a vítima, ao virar as costas, foi golpeada por duas vezes, sendo um golpe nas costas e outro no braço esquerdo. Em depoimento à polícia, os acusados confessaram o crime.

“Submetido hoje a julgamento, o Conselho de Sentença confirmou a materialidade do delito e a autoria, acolhendo, contudo, a tese desclassificatória, decidindo que o réu José Uandel Cícero Oliveira, ao praticou a ação descrita na exordial, não tinha como finalidade e prática do crime de homicídio. Dessa forma, ante o entendimento do Conselho de Sentença, restaram prejudicados os demais quesitos referentes ao acusado, bem como à acusada Vitória Maria Lima de Oliveira, partícipe no delito em tela (…) Dessa forma, em decorrência da decisão soberana dos jurados, após a preclusão da presente decisão, determino a conclusão dos autos para julgamento de delito remanescente após a decisão desclassificatória”, observou o magistrado na sentença.

Além do juiz Samir Araújo Mohana, que presidiu o júri, atuaram na sessão o promotor de Justiça Júlio Anderson Borralho, na acusação. Em defesa dos réus, atuou o defensor público Wagner Luís Jansen Carvalho. Esta foi a 4 a reunião do Tribunal do Júri no ano realizada na Comarca de Guimarães.

- Publicidade -
Categorias relacionadas:
- Publicidade -

Mais recentes

Incêndio atinge depósito de materiais de construção na Divineia

Um incêndio atingiu um depósito de materiais de construção, localizado nas imediações do bairro Divineia no início da tarde desta sexta-feira (07). Segundo informações...
- Publicidade -