segunda-feira, 27 de junho de 2022

G10 Editora

Agentes penitenciários se reúnem nesta quinta-feira para decidirem sobre paralisação

A categoria exige melhores condições de trabalho e segurança, situação pode piorar ainda mais o já fragilizado sistema carcerário do Maranhão.

 

 

O Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Maranhão (Sindspem) vai realizar hoje uma assembleia geral, para discutir as condições de trabalho, a aposentadoria especial e se vão fazer uma Paralisação de advertência de 24 hrs.

O Presidente do Sindicato afirma que faltam agentes concursados na segurança dos presídios que provocaram, inclusive, os problemas nos presídios. A terceirização é apontada pelo presidente do sindicato dos servidores do sistema penitenciário como um grande problema, já que esses profissionais recebem menos e estão mais suscetíveis à corrupção, seja por baixo salários ou por má índole. Locais como o que vocês estão em frente, a CCPJ do Anil, é um dos locais em que o problema é bem aflorado.

De acordo com o presidente do sindicato, metade das ocorrências aconteceram por conta da ausência de segurança interna. A quantidade de agentes penitenciários, por exemplo, só faz cair ano após ano no sistema. E para isso, ele mesmo cita um exemplo: Há sete anos, Benigno trabalhava na Casa de Detenção no complexo penitenciário e afirmava que existiam de 13 a 14 agentes penitenciários por plantão. Hoje, esse número é só de 2 por plantão. Essa deficiência é reconhecida pelo sindicato, que também identifica problemas como o desvio de função. Ele também corta na própria carne afirmando que há agentes corruptos.

Hoje no Maranhão existem 382 agentes e inspetores carcerários. 200 deles atuam na capital maranhense. Mas o número é pequeno quando se percebe que o estado tem hoje um exército de quase 6 mil presos.

– Publicidade –

Outros destaques