sexta-feira, 30 de setembro de 2022

Alunos do Colégio Universitário incluem xadrez em sua rotina educacional

O xadrez é um jogo que surgiu há 1.500 anos e que, desde então, já foi modificado diversas vezes até chegar ao formato que conhecemos hoje. Considerado atualmente como um esporte, o xadrez, de acordo com uma pesquisa divulgada pela Universidade de Hong Kong, mostrou que os alunos que o praticam têm uma melhoria de 15% nas notas em Matemática, o que comprova o desenvolvimento pedagógico, educativo e intelectual de quem joga.

As torres

O Colégio Universitário (Colun) também tem desenvolvido atividades com o uso do xadrex como ferramenta de aprendizagem para os alunos do ensino fundamental e médio. Um exemplo disso é o Projeto “Xeque-Mate: o jogo como instrumento pedagógico no desenvolvimento cognitivo dos educandos”, coordenado pelos professores Arimatéa Abreu e Emnielle Borges e financiado pela Fapema.

Existente há cerca de cinco anos, o projeto hoje é integrado ao ensino da escola como disciplina nas primeiras séries do ensino fundamental, com ministração de aulas teóricas e práticas, abordando aspectos como a história do xadrez, conhecimentos enxadrísticos, técnicas e táticas para aplicá-las ao oponente, além de ser ofertado aos estudantes do ensino médio como aulas de aprendizado e preparo técnico para eventos competitivos.

A rainha

O mais importante de tudo isso é que todo o conhecimento e estímulo intelectual apreendido durante os jogos não ficam concentrados apenas nas partidas. Seus benefícios se estendem para o dia a dia dos alunos não só no ensino, mas nas demais atividades do cotidiano, como destaca a professora Eminielle: “Um dos objetivos do xadrez, além de ministrar a aula, é promover o desenvolvimento de habilidades cognitivas como concentração, memorização, socialização, interação, resolução de problemas e várias outras habilidades que são favorecidas com o aprendizado do jogo de xadrez”.

Análise para além do jogo

E os resultados são acompanhados à risca: com a supervisão de uma psicóloga, o projeto estimula os alunos a conversarem com os pais e professores sobre as partidas, de forma que mensure os seus rendimentos. Além disso, são realizadas pesquisas com os responsáveis, tanto no ambiente escolar quanto no familiar, com o objetivo de saber se estão ocorrendo mudanças cognitivas no comportamento e na aprendizagem desses discentes, a fim de verificar se os resultados estão sendo efetivos ou não.

Alta adesão entre estudantes

O Projeto xeque-mate não restringe sua aplicação apenas à sala de aula, mas busca estimular os estudantes a participar de competições dentro e fora da escola. Em maio deste ano, foi realizado o III Torneio de Xadrez do Colun, que contou com uma alta taxa de adesão dos alunos do ensino fundamental e médio, que compreenderam o verdadeiro objetivo do campeonato, como relata a aluna Caroline Oliveira, do 6º ano: “O torneio foi um momento bem legal, pois percebi que não importa se você ganha ou perde, o melhor é competir”.

Desempenho em alto nível

O Projeto também tem obtido ótimos resultados nos Jogos Escolares Maranhenses (JEMs). Na edição passada, a participação dos alunos do Colun rendeu o 4º lugar da competição na modalidade “individual” e a 3ª colocação na categoria “dupla”. Neste ano, foram inscritos cinco alunos que participarão dos jogos no próximo mês.

Os alunos que vão representar o Colun nos JEMs assistiram, na última segunda-feira, 23, a uma palestra ministrada pelo professor Henrique de Jesus, pelo presidente da Federação Maranhense de Xadrez, José Ulisses Júnior, e o atleta Benone Gabriel Carvalho, campeão dos Jogos Universitários Maranhenses (JUMs). Além de trazer histórias motivacionais sobre os campeonatos disputados, os convidados expuseram orientações técnicas e táticas sobre o jogo e a interação entre os competidores.

A aluna do ensino médio Letícia Souza, uma das bolsistas do projeto, destacou a importância da palestra para aprimorar o seu conhecimento sobre o jogo: “A palestra foi um momento inteiramente válido, pois pude conhecer, de forma mais profunda, as novas regras que envolvem o xadrez e como ele foi aplicado na perspectiva de vida por meio das lições que oferece”.

 

Com informações da UFMA

– Publicidade –

Outros destaques