Após explosões, bancos permanecem fechados

PorRedação com informações de Elinalva Cardoso

Caixas eletrônicos e agências bancárias que foram explodidas por bandidos permanecem interditadas, como é o caso de um caixa eletrônico que funcionava na Avenida dos Holandeses, explodido por bandidos em janeiro deste ano, e de uma agência bancária que fica no bairro do Anil e também continua sem funcionar.

De acordo com o Sindicato dos Bancários do Maranhão, quando isso acontece, os funcionários precisam ser transferidos para agências vizinhas enquanto o prédio é reconstruído. Nestes casos, o processo de reparos é considerado demorado: varia entre três a seis meses, como explica o representante do sindicato.

“A situação é preocupante, pois o maior prejudicado é a população que fica sem o atendimento bancário no seu bairro ou na sua cidade – tendo que se deslocar, no caso do interior do estado, para outras cidades”, explica Eloi Natan, presidente do Sindicato dos Bancários.

Além disso, Eloi explica que a situação chega a ser bem mais delicada nos municípios do interior do estado. “Existe uma onda de explosões e arrombamentos no interior do estado, e isso tem sido uma constante especialmente nas agências do Banco do Brasil e do Bradesco. É preciso que haja um policiamento e uma integração maior entre os bancos e a polícia para impedir isso, porque realmente é a população que é a maior prejudicada”.

Algumas cidades contam com apenas uma agência bancária para atender a população e  de 2018 a 2019, bancos de onze cidades do Maranhão foram atingidos por ações criminosas, três deles em São Luís.

De acordo ainda com o Sindicato, do ano passado até os quatro primeiros meses deste ano foram 18 explosões a agências bancárias em todo o Maranhão. Por causa dos ataques, esses bancos podem não voltar a funcionar. Para eles, os bancos estão utilizando desse argumento da falta de segurança para manter essas agências fechadas de forma definitiva.

*

Veja a reportagem completa exibida no Voz das Ruas