quinta-feira, 6 agosto, 2020
Início Assista Agora Aumento do volume de chuvas eleva risco de transmissão de leptospirose

Aumento do volume de chuvas eleva risco de transmissão de leptospirose

A junção entre lixo e chuva configura um ambiente favorável ao aparecimento da bactéria do gênero Leptospira, causador da Leptospirose, transmitida pela urina de roedores a animais de diferentes e espécies e também aos seres humanos. O grande volume de chuvas é um dos fatores que faz aumentar os casos da doença.

Zulmira Batista é chefe do Departamento de Controle de Zoonoses e alerta que alguns cuidados devem ser tomados com a chegadas das chuvas. “Com o aumento do volume das chuvas é óbvio que aumenta também o problema da leptospirose. Por isso é importante que as pessoas não banhem nessas enchentes e vacinem os animais”, recomenda.

O número de casos notificados aumentou em mais de 40% (41,3%) na capital maranhense em 2019 quando relacionado ao número de 2018, quando o volume de chuvas foi menor. Ano passado foram 121 registros; 50 a mais que a quantidade de 2018: 71 casos. Os casos confirmados também aumentaram. 15 casos em 2018 e 32 em 2019: uma elevação de mais de 50%.

Em 2020 ainda não houve registro de casos e um trabalho de educação em saúde é desenvolvido para alertar a população sobre os riscos de contaminação. “É importante que as pessoas não acumulem lixo porque onde tem lixo tem roedores, então temos maior possibilidade de transmissão da leptospirose. Não acumular lixo e não jogar lixo na rua são atitudes que a sociedade pode ter”, observa Zulmira.

Os animais domésticos que portarem a bactéria também podem ser transmissores do vírus. Alguns cuidados podem ser tomados além de manter a vacinação contra a leptospirose em dia. “Não deixar comida para os animais. Quando colocar, tem que retirar depois. A contaminação pode ser pela ração que fica de um dia para outro. O roedor pode urinar em cima da ração e o cachorro se alimenta dela. Se o animal não estiver com vacina em dia, o risco de contaminação é muito grande”, pontua Renan Nascimento, membro da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais do Maranhão (Anclivepa/MA).

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais recentes

- Publicidade -