terça-feira, 28 de junho de 2022

G10 Editora

Bebê recém-nascido é abandonado em banco de praça no centro de Brasília

 

Um bebê do sexo masculino, de aproximadamente uma semana, foi abandonado em uma praça que fica em frente ao Shopping Conjunto Nacional, região do Plano Piloto, no centro de Brasília (DF). De acordo com informações preliminares, um homem estava caminhando no local quando encontrou um pacote em cima de um banco. Ao perceber um movimento estranho, abriu o pacote e encontrou o bebê.

O homem decidiu levar a criança até o posto do CBMDF (Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal) da Rodoviária do Plano Piloto, que fica a poucos metros do shopping. Após exames físicos na criança, os bombeiros acionaram a Polícia Militar do DF e encaminharam a criança até o Hmib (Hospital Materno Infantil de Brasília).

— Nós verificamos que a criança estava bem, com vida, respirando normal, com todos os sinais vitais e acionamos a polícia, disse o sargento Elidan, que participou da ocorrência.

O caso está sendo investigado pela 5ª DP (Delegacia de Polícia) e até agora a polícia não descobriu quem abandonou o bebê.

Em nota, a SES-DF (Secretaria de Saúde do Distrito Federal) informa que o bebê segue internado na Unidade de Pediatria do Hospital Materno Infantil de Brasília. De acordo com os exames realizados pela equipe do hospital, o menino nasceu de 37 semanas, pesa 2,1kg e seu estado de saúde é considerado bom.

O órgão disse ainda que o caso está sendo acompanhado pelo serviço social do Hmib, que realizará um relatório para encaminhar à Vara da Infância e Juventude.

Outro caso de abandono de bebê

Outro caso de abandono de recém-nascido que chocou o Distrito Federal foi o da pequena Aurora. No dia 7 de agosto, ela foi deixada dentro de uma caixa de papelão perto de uma lixeira no Lago Norte, região nobre do Distrito Federal. A recém-nascida recebeu o nome Aurora dos enfermeiros que cuidaram dela.

A mãe, Josivânia Moraes, de 23 anos, trabalhava como empregada doméstica em uma casa no Lago Norte e disse aos policiais que escondeu a gravidez durante os nove meses dos patrões por medo de perder o emprego. Após a repercussão do caso, a jovem afirmou que se arrependeu de ter abandonado a filha e aguarda decisão da Justiça sobre a guarda da criança.

– Publicidade –

Outros destaques