quarta-feira, 23 de junho de 2021

Arraial Live Guará - É hoje!
Calendário do auxílio emergencial 2021 teve nova atualização da 2ª parcela

Calendário do auxílio emergencial 2021 teve nova atualização da 2ª parcela

Saque do auxílio emergencial
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

O calendário do auxílio emergencial 2021 passou por uma nova atualização, a expectativa é que o pagamento da segunda parcela seja iniciado no próximo dia 16 de maio para as pessoas que nasceram em janeiro e termine em junho para os beneficiários nascidos em dezembro. Os saques só serão liberados no início de junho para os nascidos em janeiro e devem seguir até julho.

Entre muitas discussões e críticas sobre qual seria o valor e número de parcelas adequadas para o auxílio emergencial o governo já bateu o martelo e iniciou os pagamentos.

Ao todo serão quatro parcelas, com valores que podem variar de R$ 150 a R$375. Veja:

  • Pessoa que mora sozinha: recebe R$ 150;
  • Famílias com mais de uma pessoa e não dirigidas por uma mulher: recebem R$ 175;
  • Famílias com mães “chefes de família”: recebem R$ 375;

Confira a seguir o calendário da 2ª parcela do auxilio emergencial 2021:

Nascidos emDia do crédito em contaDia para saques em dinheiro e transferências
janeiro16 de maio8 de junho
fevereiro19 de maio10 de julho
março23 de maio15 de junho
abril26 de maio17 de junho
maio28 de maio18 de junho
junho30 de maio22 de junho
julho2 de junho24 de junho
agosto6 de junho29 de junho
setembro9 de junho1º de julho
outubro11 de junho2 de julho
novembro13 de junho5 de julho
dezembro16 de junho8 de julho

Algumas regras básicas determinam quem pode receber o auxílio emergencial ou não. Veja abaixo algumas regras para quem receberá o auxílio emergencial em 2021.

  • Ter renda per capita inferior a meio salário-mínimo (atuais R$ 550);
  • O valor da renda per capita é calculado pela soma dos ganhos de cada um, dividido pelo número de pessoas que residem no mesmo local;
  • Possuir renda total inferior a R$ 3.300;
  • Não ter vínculo empregatício ou não ter recebido há pelo menos três meses;
  • Microempreendedor Individual (MEI);
  • Desempregados;
  • Beneficiários que receberam o auxílio em 2020 e movimentaram os valores;
– Publicidade –

Outros destaques