sexta-feira, 4 dezembro, 2020
Início Colunista Comércio eletrônico é o novo normal

Comércio eletrônico é o novo normal

Pode ser de qualquer tamanho, cabe na palma da sua mão, em cima de uma mesa ou até mesmo grudada na parede, se você está lendo esta matéria, com certeza você está na frente de uma tela e por trás dela está toda a tecnologia e aparato digital/tecnológico disponível.

Se a tecnologia já era presente antes da pandemia do COVID-19, agora ela se tornou ainda mais utilizada, quase que essencial. E contra fatos não há argumentos. De acordo  com o E-commerce Brasil, mais de 70% (setenta por cento) dos consumidores brasileiros aumentaram suas compras on-line após o surgimento do novo CORONAVÍRUS.

Mesmo com o programa de retorno das atividades comerciais no Maranhão (leia-se a reabertura das lojas físicas), muitos empresários estão apostando que a nova maneira de vender produtos e serviços vai perdurar por bastante tempo, talvez para sempre, o tal novo normal, e aqueles que se reinventaram antes e durante a pandemia com toda certeza estarão a frente dos demais, celebrando muito mais negócios.

Foto: Reprodução

No mundo empresarial as questões que mais impactam e desafiam o empresariado de modo geral envolve da comunicação com os consumidores, estar em sintonia com os interesses de seus clientes e a motivação e alinhamento com a equipe. Neste cenário nada mais natural do que buscar o envolvimento com as redes sociais, especialmente o WhatsApp, Facebook e o Instagran. Mesmo porque somente o sistema de mensagens ‘Zap’ , segundo informações do ‘Face’ em fevereiro/2020, é utilizado por mais de 2 (dois) bilhões de usuários pelo mundo, e o “Insta” importa em uma grande vitrine virtual.

No mundo virtual os dados valem ouro, de maneira que se você tem aplicativos e utiliza a internet, seja no celular, no seu computador ou até na sua smart tv, com toda certeza muitas empresas tem informações sobre você. Sabem o que você gosta, os assuntos que mais te interessam, suas últimas compras, por onde andou, com quem esteve e muitas outras coisas mais. É deste modo que conseguem oferecer o produto certo, na hora certa, para a pessoa certa, viabilizando um cem número de negócios.

O marketing e inteligência digital fazem parte desse universo que é movido pela ciência de dados, e também pelo consumismo.

Foto: Reprodução

As tecnologias estão disponíveis para que os brasileiros também possam utilizar cada vez menos dinheiro vivo. Um dado importante é que na China 70% (setenta por cento) dos pagamentos são realizados por meio digitais,  as carteiras digitais (wallets), pagamentos através de QR Codes, aproximação e reconhecimento facial são algumas possibilidades tecnológicas oferecidas, que além de serem mais eficientes, seguras e rastreáveis, também são mais higiênicas e ajudam a evitar contaminações.

Foto: Reprodução

O certo é que brevemente esta crise irá passar e sairemos mais fortes. Afinal somos Brasileiros e nosso lema é “nunca desistir”, quando a pandemia acabar e o COVID-19 for controlado, sendo somente mais uma gripe dentre tantas outras, estaremos preparados para um novo mundo que vem pela frente, e com toda certeza ele será mais saudável e bem mais tecnológico. Provavelmente estamos a viver mais uma nova revolução, dessa vez a Digital.

Por Luiza Carvalho,
Cirurgiã-Dentista
Cro-ma 3129
Instagram: @luizacarvalho
e-mail: luiza_scarvalho@hotmail.com
whats app: 98-984058874

 

Categorias relacionadas:
- Publicidade -

Mais recentes

Eduardo Braide, do Podemos, é eleito prefeito de São Luís

Braide teve 270.557 dos votos válidos (55,53%) contra 216.665 (44,47%) de Duarte Jr (Republicanos)
- Publicidade -