terça-feira, 22 de junho de 2021

Arraial Live Guará - Falta 1 dia
Conduta de PM será apurada em inquérito; Jefferson Portela se manifesta

Conduta de PM será apurada em inquérito; Jefferson Portela se manifesta

Conduta de soldado da PM será apurada em por meio de inquérito (Foto: Reprodução)
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

No fim da noite desta segunda-feira, o Secretário de Estado de Segurança Pública, Jefferson Portela, se manifestou em sua conta no twitter sobre o caso de feminicídio contra Bruna Lícia, cometido pelo seu esposo Carlos Eduardo Nunes, que é policial militar, no último sábado (25). Na ocasião, o secretário também mencionou que o soldado da PM Tiago de Jesus também seria alvo de investigação interna em decorrência de seu comportamento nas redes sociais.

A situação começou porque, em resposta a um tweet de repúdio ao caso, publicado pelo perfil “Isabelle G”, o soldado Tiago de Jesus naturalizou o feminicídio, justificando que o ato poderia ser considerado natural caso fosse consequência de uma traição. Veja fotos.

Em resposta a tweet, soldado se posiciona normalizando crime de feminicídio (Foto: Reprodução)
Em outro tweet, Tiago de Jesus usa palavras de baixo calão para se referir à vítima e associa crime como castigo para traição (Foto: Reprodução)

Em posicionamento no microblog, Jefferson Portela informou que “foi instaurado procedimento para apurar a conduta do Soldado PM Tiago de Jesus”. Ele disse também que feminicídio deve ser tratado como crime por todos os integrantes do sistema de segurança.

O Departamento de Combate a Crimes Tecnológicos, coordenado por Odilardo Muniz, foi acionado e a assessoria informou que todo o material será periciado durante investigação que começa nesta terça-feira (28).

Entidades se manifestam
Após ser veiculado na grande mídia local o caso de feminicídio registrado no último sábado (25), quando Carlos Eduardo Nunes atirou contra a esposa, Bruna Lícia, e o amante, identificado como José Willian, o assunto passou a ser muito comentado em todas as esferas da cidade. Entidades representativas também se posicionaram sobre o episódio.

Nesta segunda-feira (27), a OAB-MA, por meio da Comissão da Mulher e da Advogada (CMA-MA), divulgou nota de repúdio contra a violência refletida no caso em questão. Em comunicado oficial, a Ordem informou que “diante tamanha atrocidade, não seremos complacentes com tamanho desrespeito à dignidade da pessoa humana e banalização da vida”.

Quem também se manifestou foi o Fórum Maranhense de Mulheres.

– Publicidade –

Outros destaques