quarta-feira, 12 de maio de 2021

Cresce o número de denúncias de violência contra a mulher em 2018

Cresce o número de denúncias de violência contra a mulher em 2018

Foto: Reprodução
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Cresceu o número de denúncias de violência doméstica contra a mulher na Grande São Luís, de acordo com informações da Delegacia Especial da Mulher (DEM). Em 2018, a DEM instaurou um total de 1.625 inquéritos para investigar crimes dessa natureza, bem superior a 2017, quando foram instaurados 1.304 inquéritos.

Ainda segundo dados fornecidos pela DEM, em 2018 a delegacia recebeu 1.870 denúncias de mulheres que foram ameaçadas de morte pelo companheiro, ex-companheiro ou pessoas de sua convivência familiar. Além desse tipo de ocorrência, a polícia foi solicitada por 1.120 mulheres que foram vítimas de lesões corporais (agressão física).

Ainda conforme a DEM, em 2018 433 agressores foram presos. Em 2017, ocorreram 280 prisões. Um caso de violência doméstica que foi registrado na DEM e de grande repercussão ocorreu no dia de Natal, na Vila Zenir, no bairro da Santa Efigênia, em São Luís. Uma mulher de 48 anos foi vítima de estupro, agredida e quase assassinada. De acordo com a polícia, a vítima teve uma peça de madeira introduzida no órgão genital. Ela foi encontrada com diversas lesões pelo corpo e sangramentos pela boca, nariz e na parte íntima.

Patrulha Maria da Penha

A Patrulha Maria da Penha foi instituída pelo Decreto 31.763, de 20 de maio de 2016 do Governo do Estado do Maranhão por meio das Secretarias Estaduais de Segurança (SSP) e da Mulher (Semu) que, após essa data, os órgãos responsáveis dedicaram-se a selecionar e qualificar os policiais destinados ao trabalho fim, que é lidar com mulheres em situação de violência doméstica; além da estruturação física para funcionamento da Patrulha.

Hoje é composta com um efetivo de 23 policiais distribuídos entre administrativo e operacional que realizaram no decorrer de um ano, 1.075 atendimentos, ou seja, uma média de 18 mulheres atendidas por dia. Sem contar com visitas e rondas nas residências das vítimas que totalizaram 4.041, resultando em 23 prisões efetuadas pela PMP aos agressores que descumpriram medida protetiva.

– Publicidade –

Outros destaques