quarta-feira, 12 de maio de 2021

Documentário sobre insegurança da mulher é exibido no Cine Praia Grande

Documentário sobre insegurança da mulher é exibido no Cine Praia Grande

Fiu-Fiu
Cena do documentário 'Chega de Fiu Fiu'.
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Documentário que aborda a insegurança da mulher no espaço urbano será exibido em São Luís, nesta quinta-feira (19), no Cine Praia Grande de forma gratuita, seguida de uma roda de conversa. ‘Chega de Fiu-Fiu’ é dirigido por Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão, produzido em parceria com a Brodagem Filmes.

O documentário, lançado no mês de maio em São Paulo (SP), Brasília (DF) e Cachoeira (BA) pela organização Think Olga, traz para São Luís o debate de questões como o assédio e o direito das mulheres no espaço onde vivem.

Uma microcâmera escondida em um óculos é  utilizada para mostrar a vida de três mulheres em diferentes lugares (Brasília, São Paulo e Salvador), contando também com um diálogo de especialistas sobre assédio, identidades, sexualidade, participação e mobilização social e masculinidades. ‘Chega de Fiu Fiu’ expõe de forma bem clara como a vida da mulher é marcada pela insegurança e pelo medo.

As cidades foram feitas para as mulheres? Esse é o principal questionamento feito pelo longa-metragem.

“O filme é um retrato dessa violência de gênero em um contexto ainda pouquíssimo explorado: o espaço público. A pergunta que nos fizemos ao longo de todo o filme é ‘qual o lugar das mulheres nas cidades? ’”, afirmou Amanda Kamanchek Lemos, diretora do documentário.

Após o filme, uma roda de conversa tomará de conta da sala de cinema, com as convidadas Keyci Martins, produtora e historiadora; Marcella Medeiros, advogada e cicloativista; Lohanna Pausini, mulher transsexual, jornalista e escritora e Júlia Martins, atriz, publicitária e produtora cultural.

A exibição do filme é realizada pelo Pedal das Minas São Luís, que é um grupo de mulheres ciclistas que usam a bicicleta como um instrumento para promover o empoderamento, a sororidade e a apropriação dos espaços públicos da cidade. Como já vivem essa realidade, elas se juntaram para trazer essa discussão para a capital.

“A gente pedala, mas também queremos falar sobre o que é ser mulher na cidade. E não só sob a perspectiva da mulher que anda de bicicleta, mas de toda mulher que quer garantir seu direito de ocupar os espaços públicos com segurança”, diz Jaana Pinheiro, designer e participante do grupo Pedal das Minas São Luís.

O grupo propõe ainda que pessoas realizem sessões do documentário nas escolas, cineclubes, universidades, praças de São Luís e levem a discussão para o seu contexto. Qualquer pessoa pode promover a exibição do filme através da plataforma da distribuidora Taturana Mobilização Social, que visa fortalecer os circuitos alternativos e democratizar o acesso ao cinema.

– Publicidade –

Outros destaques