Siga-nos

Política

“É preciso tirar os políticos que estão há décadas no poder”, diz Iêgo Brunno

Publicado

em

iego brunno

O candidato Iêgo Brunno (PCB), foi o quarto a participar da Sabatina Guará entre os que buscam uma vaga ao Senado Federal. Iêgo Brunno é servidor público do Tribunal de Justiça. É graduando em Ciências Econômicas da Universidade Federal do Maranhão. É membro do Conselho Fiscal do 4º grupo Gevic de Escoteiros do Brasil e Secretário Estadual da Juventude do Partido Comunista (PCB).

Iêgo Brunno disse que pretende ser senador porque se faz necessário uma mudança no cenário político nacional. “É preciso renovar, a população clama por isso. O primeiro passo é a mudança. Fui escolhido para essa mudança, e nunca tinha sido candidato a nada, por isso acredito que faço parte dessa nova visão”, destacou.

O candidato disse é preciso combater essa ideia de que experiente é aquele que está no poder há 20 anos. E destacou que a melhor experiência que se deve ter é a de conhecer os anseios do povo. “Os políticos têm experiência de gabinete, não dá sociedade. Nós precisamos entender que velhas práticas não geram novos resultados”, declarou.

Desafio no senado

Sobre os planos para sua atuação no Senado, Iêgo acredita que o maior desafio atualmente é combater o sistema corrupto, que está impregnado no cenário político. “Vou trabalhar para romper ideia que todo político é corrupto”, declarou

O candidato que é do Partido Comunista Brasileiro (PCB) há 18 anos, criticou o “troca-troca” de partidos que muitos políticos fazem várias vezes por ano. Ainda de acordo ele, essa prática reflete o sistema corrupto do Brasil.

“Os políticos procuram os partidos não por sua ideologia, como deveria ser. Eles buscam por benefícios de vários setores. Isso fica claro nas eleições, os candidatos escolhem partidos como trampolim”, ressaltou.

“Partidos de esquerda perderam essência”

Iêgo Brunno criticou o número de partidos no Brasil e as coligações que muitos deles fazem. Segundo ele, essas uniões visam apenas a busca pelo poder.

O candidato citou como exemplo, o PCdoB, que é um partido de esquerda, mas se aliou a partidos de direita. “Essas coligações deixam clara, que os partidos passam por cima, de seus ideais, apenas pelo poder. Nós do PCB não fazemos isso, somos de esquerda e nos aliamos com partidos que acreditam no mesmo propósito”, destacou.

Não estamos preparados para o Comunismo

O candidato disse as pessoas fazem uma ideia deturpada do que seria o comunismo. Para ele, o comunismo não é uma religião como muitos pensam, e sim um sistema econômico. E ainda destacou que nenhum país que se diz comunista, é de fato. “Nenhum de nós estamos preparados para o comunismo, porque o comunismo significa ser comum a todos, e nenhum país ainda tem essa visão de valorizar mais as pessoas do que as coisas”, declarou.

Iêgo Brunno que pretende abdicar do salário de senador, caso seja eleito, continou falando sobre o sistema, a qual o seu partido acredita. “O que nós criticamos é a desproporcionalidade  de quem ganha muito e quem ganha pouco. Queremos um país e uma política mais igual”, enfatizou.

Aplicação do escotismo na política

Se for eleito, o candidato disse que pretende aplicar noções do escotismo na educação de base. “As crianças hoje não tem mais contato umas com as outras, a tecnologia, tem afastado uma das outras. E o escotismo acredita nessa vivência das pessoas”, declarou. Iêgo Brunno disse que deseja implementar um projeto  leva a didática do escoteiro para a educação de base. Se você não tem educação, você não muda a cultura de mundo”, ressaltou.

“O eleitor tem o poder da mudança”

O aspirante ao Senado Federal disse que o eleitor precisa acreditar que ele pode fazer a mudança, não só votando como participando durante o ano todo da política. Mas a primeira atitude é tirar de vez todos os políticos que estão no Senado há décadas e nada fizeram pelas pessoas.

” Nós precisamos trocar todos. O poder é do povo, nós temos as armas na mão. Para ter esperança, nós temos que renovar. Reflita, estude seu candidato, veja a origem dele nós precisamos de dia melhores”, finalizou.