quarta-feira, 23 de junho de 2021

Arraial Live Guará - É hoje!
Estilo de dançar reggae ‘agarradinho’ pode virar Patrimônio Cultural Imaterial do MA

Estilo de dançar reggae ‘agarradinho’ pode virar Patrimônio Cultural Imaterial do MA

Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Há 40 anos morria um dos maiores nomes da música mundial, o jamaicano Robert Nesta Marley, mais conhecido como Bob Marley, principal expoente da música reggae no mundo. No Brasil, a data que marca a morte do músico, dia 11 de maio, foi instituída como o Dia Nacional do Reggae.

No Maranhão, desde os anos 1980 o reggae está enraizado na cultura local. Marcado pelos “melôs” e pelo poderoso som das “radiolas”, o reggae no Maranhão tem ainda outra peculiaridade: o modo de dançar em par, popularmente conhecido como “agarradinho”. Característica marcante do ritmo no Maranhão, o estilo maranhense de dançar reggae pode agora virar Patrimônio Cultural Imaterial do Estado.

Foi com esse objetivo que, nesta terça-feira (11), Dia Nacional do Reggae, o Museu do Reggae do Maranhão, dirigido pelo produtor cultural e jornalista Ademar Danilo, apresentou proposta para que a dança de reggae do Maranhão seja tombada como Patrimônio Cultural Imaterial do Maranhão, por meio de inscrição no Livro de Registro das Formas de Expressão, como preconiza a Lei nº 10.514, de 05 de outubro de 2016.

A proposição foi recebida pelo secretário de Estado da Cultura (Secma), Anderson Lindoso, que deverá encaminhar a solicitação para aprovação do governador Flávio Dino. “Vou avaliar com atenção e submeter essa proposta à aprovação do governador Flávio Dino. O nosso estilo de dançar reggae é genuinamente maranhense”, frisou Anderson Lindoso, em postagem nas redes sociais.

Para Ademar Danilo, elevar o jeito maranhense de dançar reggae ao status de patrimônio imaterial vai garantir que o poder público e a população reconheçam a dança do reggae como “parte inerente” na formação e no “jeito de ser do maranhense na atualidade”.

“O reggae é profundamente enraizado no cotidiano do Maranhão. Nós, maranhenses, demos uma cara própria ao reggae ao criarmos uma maneira nossa de dançar diferente do mundo inteiro. O estilo da dança de reggae do Maranhão é único e foi criado no nosso estado. Atualmente esse estilo se espalhou por vários lugares do Brasil e em todos há o reconhecimento da origem maranhense dos passos da dança. Com esse reconhecimento, uma luz mais forte iluminará a prática da dança e elevará a autoestima de todos os que a praticam”, ressalta Ademar Danilo.

Origens

Várias teorias tentam explicar como o reggae chegou ao Maranhão e por que o ritmo é dançado “agarradinho” no estado.

Algumas teorias apontam que a música jamaicana teria chegado via ondas de rádios caribenhas, sintonizáveis em solo maranhense. Já o estilo de dançar único teria supostamente surgido a partir da influência de festas realizadas por estivadores na região central do estado.

Mas para Ademar Danilo, apesar dos mistérios em torno da cultura reggae no Maranhão, o modo de dançar reggae “agarradinho” tem ligação com a recepção que o maranhense tem com outros ritmos caribenhos.

“O estilo maranhense de dançar de reggae é derivado do bolero. Sempre fomos muito receptivos a ritmos caribenhos (o bolero é de Cuba). Rumba, bolero, chá-chá-chá, salsa, merengue e, por último, juntos com o reggae, os ritmos que ficaram conhecidos como lambada [soca, kadanse, cumbia, kaseko, dentre outros]”, explica o curador do Museu do Reggae.

Sobre o Museu do Reggae

O Museu do Reggae do Maranhão é um equipamento cultural vinculado à Secma e foi criado em 2018, por determinação do governador Flávio Dino. O espaço foi o primeiro museu temático do reggae inaugurado fora da Jamaica e encontra-se temporariamente fechado por força da pandemia de Covid-19.

– Publicidade –

Outros destaques