quinta-feira, 23 de setembro de 2021

In Memoriam: “Eu Vivo Em Tempos Sombrios”

Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Nos últimos 10 dias, perdi pessoas que cruzaram por minha trajetória, alguns que eram amigos próximos, outros que fizeram parte de minha formação política e intelectual.

Freitas Diniz, Valter Cézar, Haroldo Lima e, hoje, Batista Matos sucumbiram vítimas da covid-19, sem que tivéssemos sequer a possibilidade de fazermos uma última despedida.

Não bastasse tudo isso, ainda vemos o Brasil se debater em torno de uma questão que pensávamos ter superado há 36 anos, com a derrubada da ditadura militar. O País, que um dia foi do futuro, namora com o abismo, com uma volta aos tempos de chumbo, que tanto mal causou à Nação.

Em momentos como este, nossa voz embarga e é melhor utilizar a voz maior e mais ampla da arte e da literatura. É em homenagem às pessoas que perdi e a cada um dos 317.646 brasileiros e brasileiras que morreram pela combinação sinistra de uma pandemia e de um desgoverno, que relembro aqui o poema do grande dramaturgo alemão Bertolt Brecht.

Aos que virão depois de nós

Eu vivo em tempos sombrios.
Uma linguagem sem malícia é sinal de estupidez,
Uma testa sem rugas é sinal de indiferença.
Aquele que ainda ri é porque ainda não recebeu a terrível notícia.

Que tempos são esses,
Quando falar sobre flores é quase um crime.
Pois significa silenciar sobre tanta injustiça?
Aquele que cruza tranqüilamente a rua
Já está então inacessível aos amigos
Que se encontram necessitados?

É verdade: eu ainda ganho o bastante para viver.
Mas acreditem: é por acaso. Nada do que eu faço
Dá-me o direito de comer quando eu tenho fome.
Por acaso estou sendo poupado.
(Se a minha sorte me deixa estou perdido!)

Dizem-me: come e bebe!
Fica feliz por teres o que tens!
Mas como é que posso comer e beber,
Se a comida que eu como, eu tiro de quem tem fome?
Se o copo de água que eu bebo, faz falta a quem tem sede?
Mas apesar disso, eu continuo comendo e bebendo.

Eu queria ser um sábio.
Nos livros antigos está escrito o que é a sabedoria:
Manter-se afastado dos problemas do mundo
E sem medo passar o tempo que se tem para viver na terra;
Seguir seu caminho sem violência,
Pagar o mal com o bem,
Não satisfazer os desejos, mas esquecê-los.
Sabedoria é isso!
Mas eu não consigo agir assim.
É verdade, eu vivo em tempos sombrios!

II

Eu vim para a cidade no tempo da desordem,
Quando a fome reinava.
Eu vim para o convívio dos homens no tempo da revolta
E me revoltei ao lado deles.
Assim se passou o tempo
Que me foi dado viver sobre a terra.
Eu comi o meu pão no meio das batalhas,
Deitei-me entre os assassinos para dormir,
Fiz amor sem muita atenção
E não tive paciência com a natureza.
Assim se passou o tempo
Que me foi dado viver sobre a terra.

III

Vocês, que vão emergir das ondas
Em que nós perecemos, pensem,
Quando falarem das nossas fraquezas,
Nos tempos sombrios
De que vocês tiveram a sorte de escapar.

Nós existíamos através da luta de classes,
Mudando mais seguidamente de países que de sapatos, desesperados!
Quando só havia injustiça e não havia revolta.

Nós sabemos:
O ódio contra a baixeza
Também endurece os rostos!
A cólera contra a injustiça
Faz a voz ficar rouca!
Infelizmente, nós,
Que queríamos preparar o caminho para a amizade,
Não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos.
Mas vocês, quando chegar o tempo
Em que o homem seja amigo do homem,
Pensem em nós
Com um pouco de compreensão.

Foto: outdoor exibido em São Luís, fruto de vaquinha entre entidades

– Publicidade –

Outras publicações