Internos do sistema prisional produzem ovos de chocolate para doação

PorAssessoria

Foto: Divulgação

Comunhão e solidariedade são sentimentos presentes em datas festivas, como a Páscoa. No Sistema Penitenciário do Maranhão, a data é marcada, também, pela doação dos tradicionais ovos de chocolate, produzidos por pessoas presas e encaminhadas a entidades beneficentes atendidas pelo Governo do Estado.

Este ano, foram produzidos mais de 3 mil ovos de Páscoa, em dois estabelecimentos penais de São Luís. A produção foi feita por 12 internos e internas das Unidades Prisionais de Ressocialização Feminina (UPFEM) e do Olho d’Água (UPODA), que dispõem de padarias instaladas.

“Trabalhamos, desde o dia 2 de abril, na confecção desses ovos de chocolates. É muito gratificante saber que o resultado do nosso trabalho vai dar alegria às crianças. Eu me sinto bem porque estou sendo útil”, conta o interno, de 29 anos, que participa da produção.

Entre as entidades que receberam os ovos de chocolate produzidos, esta semana, a Casa da Mulher Brasileira, instituição que acolhe mulheres em situação de violência doméstica. Os filhos de mulheres que procuram o órgão público de proteção direcionada também recebem acolhimento.

Crianças e adolescentes em conflito com a lei, atendidos pela Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), também receberam os ovos de chocolate. Além desses órgãos, foram presenteadas creches e algumas secretarias de Estado que solicitaram os ovos de chocolate para doação.

“Essas secretarias realizam doações a entidades públicas, principalmente creches. Isso é bom porque muitas pessoas serão beneficiadas e o trabalho digno dos internos do sistema prisional fica cada vez mais reconhecido”, explica a coordenadora das oficinas de trabalho da Seap, Luíza Araújo.

A rotina dos internos começa cedo, por volta das 5h. Antes de iniciarem a produção dos ovos, às 8h, eles fazem a limpeza do local onde funciona a padaria, e seguem até às 11h30. O retorno acontece às 14h30, e a produção dos ovos de chocolate, nesta época, segue até às 17h30, sempre supervisionada.

“A qualidade não se resume ao produto final. Os internos passaram e passam por cursos de formação e qualificação. Hoje, o trabalho dos nossos internos tem causado impacto relevante na sociedade, seja no calçamento de ruas ou na solidariedade”, explica o secretário da Seap, Murilo Andrade de Oliveira.

A oficina de ovos de chocolate, no sistema prisional, garante a confecção de 250 a 300 unidades, por dia. Na confecção dos ovos de páscoa, os internos também são responsáveis pela embalagem e contagem de capa peça pronta, para conferência e controle da referida Unidade Prisional.