domingo, 25 de setembro de 2022

Já são sete quilombolas assassinados no Maranhão em dois anos

“Edvaldo Pereira Rocha, liderança do quilombo Jacarezinho,em São João do Soter, leste do Maranhão, foi executado ainda pouco por 2 pistoleiros, sendo atingindo por 8 tiros. É o 7º quilombola assassinado no Maranhão em menos de 2 anos. Vivemos uma guerra no campo! Guerra!”, com esta postagem em sua conta no microblogue Twitter, o advogado popular, Diogo Cabral denuncia mais um assassinato que aconteceu na tarde desta sexta-feira, 29, no Maranhão.

De acordo com informações, o crime aconteceu quando Edvaldo estava em um comércio, na MA 127, no povoado Bom Jardim. Dois homens se aproximaram em um veículo e começaram a efetuar disparos de arma de fogo contra ele. A polícia esteve no local e deve apurar a motivação do crime.

LINHA DO TEMPO

2016

De acordo com a ação, assinada pela procuradora da República em Caxias (MA), Anne Caroline Neitzke, em 29 de abril de 2016 um senhor conhecido como “Gaguinho” comunicou que arrematou em leilão as terras ocupadas pelas famílias da comunidade quilombola. Ele deu início ao desmatamento da área para criação de animais e outras atividades.

Posteriormente, o Incra informou que a regularização fundiária do território de interesse da comunidade do Jacarezinho seria feita somente após a conclusão do Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID).

2018

Em 17 de abril de 2018, o MPF enviou ofício ao Incra para que se manifestasse sobre a situação da elaboração do relatório, pendente há mais de dez anos, e da avaliação da sobreposição entre a área reivindicada pela comunidade e a área pretendida pelo autor da ação de reintegração de posse. O MPF também solicitou informações a respeito das medidas que estavam sendo tomadas para impedir a possível ocupação das áreas da comunidade por posseiros.

2021

Em 2021, a partir de ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal promoveu uma teleaudiência de instrução com o MPF e representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), onde foram solicitados esclarecimentos sobre o andamento do processo de demarcação

VIDAS PERDIDAS

A Comissão Pastoral da Terra, que reúne informações sobre as vidas perdidas devido aos Conflitos no Campo, lança no próximo dia 10 de maio, os dados relacionados à violência no campo Maranhense. São conflitos que têm como vítimas os povos do campo, das águas e das florestas. O lançamento acontece no dia 10 de maio, as 9h, na sede do Instituto de Estudos Superiores do MA, que fica nas proximidades do Seminário Santo Antonio.

– Publicidade –

Outros destaques