Luto! Ex-atacante do Grêmio morre em São Luís


No início da tarde desta terça-feira (12), o ex-atacante do Grêmio-RS, Caio, morreu em São Luís. Caio atravessava problemas de saúde e já tinha perdido as pernas por conta de uma grave diabetes.

Ele estava internado no Hospital Universitário Presidente Dutra, em São Luís, para tratar de problemas renais.

Caio foi campeão da Libertadores em 1983, ao lado de Renato Gaúcho, De León e Tarciso Flecha Negra. O ex-atacante foi autor do primeiro gol na final da Libertadores daquele ano, contra o Peñarol-URU.

Após o título da América, Caio foi campeão Mundial, no mesmo ano, quando o Grêmio venceu o Hamburgo-ALE, por 2 x 1.

Com 63 anos, Caio tinha também problemas financeiros. No ano passado, Caio foi um dos homenageados no gramado da Arena antes de Grêmio x Corinthians, pelo Brasileirão, por conta do aniversário de 35 anos da conquista do Mundial de Clubes.

No ano passado, um jogo beneficente foi realizado em São Luís para arrecadar fundos para custear o tratamento de Caio.

A história de Caio

Luiz Carlos Tavares Franco, mais conhecido como Caio, nasceu no Rio de Janeiro, em 16 de março de 1955. Caio teve passagens por grandes clubes do país, como Portuguesa-SP, Botafogo-RJ e Grêmio, onde conquistou a Libertadores e Mundial em 1983.

No Maranhão, Caio jogou por Moto Club e encerrou sua carreira em 1991, no Sampaio Corrêa.

No Papão do Norte, Caio teve seis passagens: 1977, 1978, 1979, 1986, 1988 e 1989. Revelado nas categorias de base do Madureira-RJ, o rápido atacante chegou ao Moto Club após uma breve passagem no Paysandu, onde jogou apenas duas vezes.

Do Rubro-Negro maranhense foi para o Botafogo-RJ, retornando ao Papão em 1979. Caio foi bem no Campeonato Maranhense e despertou interesse da Portuguesa-RJ, onde passou três temporadas.

Em 1983 chegou ao Grêmio-RS para fazer dupla de ataque com Renato Gaúcho, sendo campeão da Copa Libertadores e Mundial. Caio ficou no Tricolor Gaúcho até 1984, quando se transferiu para a Tuna Luso-PA, em 1985. No outro ano, retornou ao Papão do Norte mais uma vez, ficando apenas para o Estadual e voltou ao time paraense.

Em 1988, Caio chegou ao Moto Club e permaneceu até 1989. Já em fim de carreira, ele decidiu pendurar as chuteiras no Sampaio Corrêa em 1991.

Após encerrar como profissional dentro das quatro linhas, Caio ainda treinou algumas equipes e foi auxiliar-técnico. Tinha como grande amigo Edmilson Gomes, o Meinha, com quem trabalhou no MAC, Moto e outros times.