quarta-feira, 23 de junho de 2021

Arraial Live Guará - É hoje!
Mapeamento hidrográfico encontra mais rios no Maranhão

Mapeamento hidrográfico encontra mais rios no Maranhão

Estudo do rios
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Em fase de conclusão, o mapeamento hidrográfico do bioma amazônico maranhense apontou que o Maranhão possui rios maiores e em mais quantidade do que se acreditava até então. Os resultados preliminares foram apresentados na última semana pela equipe do Zoneamento Ecológico-Econômico do Maranhão (ZEE-MA). Coordenado pelo Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), o estudo descobriu que a Amazônia Maranhense possui uma quantidade muito maior de rios e que rios como Pindaré e Maracaçumé são maiores do que se imaginava.

De acordo com a geógrafa Helen Barreto, responsável do eixo Recursos Hídricos do ZEE, o novo levantamento irá oferecer mais precisão para a cartografia da Amazônia Maranhense.

“O levantamento precisou redefinir os limites dos trechos de drenagens, das massas de água, das áreas alagáveis e das bacias hidrográficas, uma vez que os mapas do Departamento de Serviço Geográfico (DSG) são ainda da década de 1970 e estavam fora do padrão cartográfico exigido nacionalmente. É natural que, com as novas tecnologias de imagens por satélite e radar, estes mapas sejam atualizados”, explicou Helen Barreto, que é professora do Departamento de Geociências da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), uma das instituições parceiras do Imesc na realização do ZEE-MA.

Repensar o uso da água

Com os dados levantados será possível medir possíveis impactos gerados pela agricultura, pecuária e mesmo habitação sobre os rios, lagos e fontes do Maranhão. “É a partir destes dados que é possível definir quais áreas podem ser utilizadas para agricultura, quais devem ser preservadas, que territórios podem ser licenciados para a indústria para retirada de águas. Conhecer esses dados afeta toda a vida das cidades e comunidades presentes no território de uma bacia hidrográfica”, destaca o coordenador do ZEE-MA, Luiz Jorge Dias.

No Brasil, se retiram, em média, 2.057,8 m³/s dos rios, córregos, lagoas, lagos e reservatórios; sendo que 46,2% vão para a irrigação. Nas últimas duas décadas, houve um aumento de 80% na quantidade de águas para o consumo total, com perspectiva de crescimento de mais 30% até 2030.

– Publicidade –

Outros destaques