49,5% dos trabalhadores maranhenses não têm carteira assinada

PorRedação

Foto: Reprodução

O desemprego cresceu em 14 das 27 unidades da federação no primeiro trimestre, na comparação com o trimestre anterior, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Maranhão aparece com quarta maior taxa de desempregados no país com 16,3%, a frente estão Amapá com 20,2%; Bahia com 18,3% e Acre com 18%. A taxa de desemprego no MA subiu 2,2 pontos percentuais.

O estado também lidera o número de empregados no setor privado sem carteira assinada com 49,5%. No país subiu 4,4%, (mais 466 mil pessoas) comparado ao mesmo trimestre de 2018, o número de trabalhadores sem carteira assinada.Entre as UFs, as maiores depois do Maranhão, são o Piauí (47,8%) e Pará (46,4%), e as menores foram em Santa Catarina (13,2%), Rio Grande do Sul (18,0%) e Rio de Janeiro (18,4%).

No primeiro trimestre de 2019, 74,7% dos empregados no setor privado tinham carteira de trabalho assinada, contra 75,5% no mesmo trimestre do ano anterior. As regiões Norte (60,9%) e Nordeste (59,0%) tinham os menores percentuais; e a região Sul (83,9%), o maior.

As UFs com os maiores percentuais de empregados com carteira assinada foram Santa Catarina (88,1%), Rio Grande do Sul (83,2%) e Rio de Janeiro (81,8%), e as menores ficaram com Maranhão (50,3%), Piauí (52,5%) e Pará (53,0%).