domingo, 17 novembro, 2019
Início Política Maranhenses se posicionam contra corte nos cursos de humanas

Maranhenses se posicionam contra corte nos cursos de humanas

A bancada maranhense se posicionou contra a declaração do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que afirmou nesta sexta-feira (26), que pretender cortar investimentos nos cursos de sociologia e filosofia.

Segundo Bolsonaro, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, quer “descentralizar” investimento no ensino das duas áreas para “focar em áreas que gerem retorno imediato ao contribuinte, como: veterinária, engenharia e medicina”.

Imediatamente o governador Flávio Dino (PCdoB), crítico ferrenho aos decretos bolsonaristas, disse que no Maranhão os cursos seguirão sendo respeitados.

A senadora Eliziane Gama (CIDA), publicou uma sequência de mensagens, afirmando ser inconcebível alterar os investimentos na educação. “Esse ataque é extremamente elitista, primeiro por que nenhuma escola particular que atende a elite brasileira vai tirar essas disciplinas de sua grade curricular. Segundo por que serão os alunos de escola pública que sofrerão com uma educação desprovida de crítica”, afirmou a maranhense.

Já o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), afirmou que a medida de Bolsonaro é simplesmente “estúpida”.

Com menos de quatro meses, a pasta da Educação já está em com seu segundo ministro. Bolsonaro demitiu no dia 8 de abril Ricardo Vélez Rodríguez, um professor colombiano pouco conhecido na âmbito acadêmico, que teve sua efêmera participação no alto escalão do governo marcada por diversas polêmicas.
Em fevereiro ele chegou a dizer que “o brasileiro viajando é um canibal. Rouba coisas dos hotéis, rouba o assento salva-vidas do avião; ele acha que sai de casa e pode carregar tudo”. Notificado pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF) para se explicar, ele escreveu no Twitter que “ama o Brasil e nosso povo”.

Outro episódio marcante foi a revelação de um e-mail do ministro pedindo aos gestores de escolas que enviassem ao MEC vídeos mostrando as crianças cantando o Hino Nacional e lendo o slogan da campanha eleitoral de Bolsonaro. O Ministério Público Federal pediu explicações sobre a medida considerada como improbidade administrativa por diversos juristas. Vélez acabou recuando.

Entre as confusões, Vélez anunciou dois novos secretários executivos que não foram aceitos pelo governo. Uma delas, a educadora evangélica Iolene Lima, demitida antes de ter assumido. Em seguida, a secretária da Educação Básica, Tânia Leme de Almeida, pediu para deixar o MEC após descobrir, por meio de reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, que o nível de alfabetização das crianças não seria mais avaliado.

Ao anunciar Abraham Weintraub como novo ministro da Educação, Bolsonaro afirmou que “Abraham é doutor, professor universitário e possui ampla experiência em gestão e o conhecimento necessário para a pasta. Aproveito para agradecer ao Prof. Vélez pelos serviços prestados”.

Weintraub é executivo do mercado financeiro, com mais de 20 anos de experiência. Foi diretor estatutário do banco Votorantim, presidente da Votorantim Corretora no Brasil e da Votorantim Securities no Estados Unidos e na Inglaterra, além de ter sido economista chefe por mais de 10 anos. Não há em seu currículo formação ou experiência em gestão de políticas educacionais. O que ele entende de educação é o que aprendeu com o guru Olavo de Carvalho. Defende que militantes de direita devem adaptar as teorias olavistas para vencer os embates teóricos com os militantes de esquerda. Principalmente no âmbito das universidades.

Categorias relacionadas:
- Publicidade -

Mais recentes

Lewis Hamilton quer conhecer os Lençóis Maranhenses

O Parque dos Lençóis Maranhenses é umas das maravilhas do mundo, tanto que a maior estrela da Fórmula 1 tem vontade de conhecer. O...
- Publicidade -