RUMO CERTO valendo

Deu polícia! Confusão e prisões na invasão Comunidade de Engenho

Posted On Domingo, 18 Fevereiro 2018 13:26 | Redação
Deu polícia! Confusão e prisões na invasão Comunidade de Engenho Foto: Marcos Leite

Muita confusão e prisões neste domingo (18) na invasão conhecida como “Comunidade de Engenho”, em frente ao bairro Nova Terra, em São José de Ribamar, por conta de uma tentativa de reintegração de posse.

Na quinta-feira (15) deveria ocorrer a reintegração de posse na área, que foi suspensa um dia antes, quarta-feira portanto, via ordem judicial solicitada pela Defensoria Pública do Estado. Mas na manhã deste domingo máquinas chegaram ao local para fazer a demolição das edificações. A polícia foi acionada, inclusive, porque havia denúncia de que teria pessoas armadas entre o grupo que comandava a tentativa de retomada da área.

O Secretário de Segurança Pública do Estado, Jeffeson Portela, esteve no local e determinou de imediato a prisão, em flagrante, do sargento da Polícia Militar Edson de Sousa Lima, que estava de posse de uma pistola 380, além de uma outra pessoa que estaria ameaçando os moradores.

“A Polícia está em busca das máquinas para levantamento de informações a partir das placas e responsabilização dos proprietários. Temos, inclusive, uma lista de pistoleiros conhecidos há décadas nas questões agrárias e que estariam envolvidos nessa ação criminosa. Vamos identificar, oficializar e representar com prisões e comunicar o judiciário”, disse o secretário.

Segundo o secretário ao longo do dia será realizado uma grande operação, para a execução de prisão de mais envolvidos. Inicialmente duas pessoas foram levadas à Seic, além de vítimas e testemunhas. O caso segue em investigação policial.

Ameaças e intimidação

Na última quinta-feira, 15, o Desembargador Plantonista do Tribunal de Justiça do Maranhão, Raimundo Melo, chegou de surpresa na Comunidade de Engenho. De acordo com informações, ele acabou sendo surpreendido com a presença de jagunços no local.

Ao chegar na área, o desembargador conversou  com os camponeses que relataram sofrer ameaças. As famílias receberam ordem de despejo, devido a uma reintegração de posse que é questionada pelos moradores.

Segundo o desembargador, pelo menos quatro carros apareceram no local com intuito de assustá-lo. Além disso, fogos de artifícios foram utilizados pelos suspeitos para afastar o desembargador da área.

 

 

 

Afiliada