quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Novo pet em casa? Veja como receber bem o novo morador

welsh corgi dogs and british longhair cat on sofa at home
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Os efeitos da longa pandemia de Covid-19 e do isolamento social acabaram levando grande parte dos brasileiros a optar por receber mais um morador em suas casas: um pet. Dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) indicam que, com mais de 140 milhões de pets, o mercado desse segmento no País é um dos maiores do mundo, com faturamento de quase R$ 35 bilhões ao ano.

Antes de receber o pet em casa, porém, é necessário observar alguns cuidados. Pensando nisso, a médica veterinária e coordenadora do curso de Medicina Veterinária da Pitágoras, Carla Janaina Rebouças, traz algumas dicas:

SEGURANÇA E PROTEÇÃO

Atenção com a segurança dos pets: para quem mora em apartamento, a primeira dica é colocar telas de proteção nas janelas e observar se permanecem intactas, pois com o tempo os pets podem destruí-las. Outro fator a ser observado é o piso: os assoalhos de cerâmica e porcelanato são os que menos derrapam, reduzem ruídos e são mais fáceis de limpar. Outro piso indicado é vinílico, que além de ter limpeza fácil, não prejudica as patinhas e é atérmico.

“É importante ter um piso antiderrapante no local onde o animal costuma se deitar. Procure sempre a orientação veterinária caso seu animal esteja mancando, ganhando muito peso ou se as unhas estiverem muito longas. Exercite sempre o pet, para mantê-lo com uma boa musculatura, pois os músculos ajudam a manter as articulações no lugar”, orienta Rebouças.

ALIMENTAÇÃO

Escolha bem o local em que o novo morador fará suas refeições. Prefira um local arejado e sem muitos móveis e objetos. Nunca use o mesmo comedouro para alimentos e água – devem ser dois, diferentes. Para isso, o melhor material é o aço inoxidável, que risca e estraga menos que os de plástico, acrílico e alumínio. Se o pet ainda for filhote, você terá que trocar os recipientes de comida e água conforme ele cresce.

Selecione a ração do pet com ajuda do médico veterinário, pois o alimento deve atender as necessidades nutricionais básicas, e fique atento à qualidade do produto.

TRANSPORTE

Transporte seu pet em uma caixa de específica para essa finalidade, vendida em petshops, ou use um cinto de segurança próprio para cães. São as únicas formas seguras para passear de carro – qualquer outra forma é considerada infração pelo Código de Trânsito Brasileiro. Além disso, avise seu veterinário se o pet não se der bem em veículos, aviões ou se a viagem for longa, para juntos poderem ajudá-lo.

SAÚDE

O pet precisa tomar todas as vacinas para ter uma boa saúde. No mercado existem vários tipos de vacinas para os pets. Duas são obrigatórias: as vacinas múltiplas e antirrábicas. “As vacinas múltiplas protegem contra várias doenças, como a Parvovirose e a Cinomose nos cães, e a Rinotraqueíte e Leucemia Viral nos gatos. Para os cães, existem ainda algumas vacinas facultativas que devem ser aplicadas de acordo com recomendação do médico veterinário e o risco de exposição do animal a essas doenças”, detalha Rebouças.

A especialista ressalta a importância da vacinação, principalmente para os filhotes. “Eles contam com os anticorpos maternos transmitidos pela mãe por meio da amamentação. Com o passar do tempo, os anticorpos começam a desaparecer e a vacinação se torna essencial. Deixar os filhotes sem as vacinas é muito perigoso, pois nesta fase o sistema de defesa ainda é muito frágil”.

Por último e mais importante: esteja sempre em dia com a carteira de vacinação do seu pet e tenha sempre em mãos o telefone e endereço de um profissional médico veterinário de sua confiança que ofereça atendimento 24h.

– Publicidade –

Outros destaques