PM suspeito de envolvimento em chacina tem prisão preventiva prorrogada

A justiça maranhense prorrogou, por mais 30 dias, o tempo de prisão preventiva do policial militar Hamilton Caires Linhares, suspeito de ter participado do assassinato de três pessoas, na região do Coquilho, zona rural de São Luís, em janeiro deste ano. O militar foi preso no dia 7 de janeiro e até agora mais ninguém foi detido por envolvimento no caso.

Hamilton é dos suspeitos das execuções de Gustavo Feitosa Monroe, de 18 anos, Joanderson da Silva Diniz, de 17 anos, e Gildean Castro Silva, de 14 anos, mortos no dia 4 de janeiro.

Lotado na Companhia de Operações Especiais (COE), Hamilton teria confessado em depoimento que perseguiu os garotos, mas não tinha atirado nas vítimas.

A polícia investiga a participação de outras pessoas no crime, inclusive mais policiais e agentes penitenciários.