Polícia continua investigando maternidade de bebê


Foto: Reprodução

A Polícia Civil continua ouvindo pessoas sobre o caso do bebê que foi encontrado dentro de uma bolsa na Cidade Operária, no último dia 03. Ontem uma mulher se apresentou na delegacia, com advogado, afirmando ser a mãe da criança. Após recolher imagens de câmeras de segurança para identificar quem deixou o recém-nascido no local, a polícia continua a ouvir outras pessoas para encerrar o caso e enviar ao judiciário.

De acordo com informações repassadas pela Polícia Civil, a suposta mãe contou em depoimento que teve um breve relacionamento com o pai da criança e que depois não conseguiu mais contato com ele. Ela teria tentando por várias vezes contato com o telefone pelo qual se falavam, sem sucesso.

De acordo com as informações dadas pela mulher, ela teria demorado a descobrir que estava grávida e já perto do 8º mês de gestação, ela teria cruzado com o pai da criança no Centro de São Luís, chegando a contar para o mesmo que estava grávida. No entanto, ele teria a ignorado.

Segundo o relato, a mulher deu entrada na maternidade Marly Sarney no dia 30 de março, porque estava sentindo cólicas e descobriu que estava em trabalho de parto, ao ser examinada. No dia 02, teria tido alta médica, e no dia seguinte, após amamentar o filho, saiu com ele e foi até uma loja de roupas de bebê, quando estava voltando, por volta de 12h, teve o impulso de deixá-lo.

Na delegacia, ao ser questionada, a mulher disse não saber explicar porque deixou a crianças. Ela contou que o enrolou em um lençol e o deixou, dentro de uma bolsa preta que carregava, na calçada de uma casa, ao acaso, pois ela disse que não conhecia ninguém ali.

Conforme as informações repassadas pela polícia, ao ser perguntado se ela não se preocupou, a suposta mãe do bebê disse que sentia que a criança ficaria bem. Ela contou também que olhou para trás, se arrependeu do que fez, mas não voltou para buscar o filho.

Ainda segundo a polícia, foram recolhidas imagens das câmeras da região onde a criança fora deixada e, com a divulgação do caso, uma testemunha reconheceu a bolsa onde fora encontrado o recém-nascido, pois havia dado a bolsa da suposta mãe da criança, e procurou a delegacia.

De posse do nome da mãe, a Polícia Civil oficiou às maternidades e teve acesso às informações. O caso ainda está sendo investigado pela delegada Delegacia Especial da Cidade Operária (Decop). Diversas pessoas ainda serão ouvidas e, após a conclusão, o caso será remetido ao judiciário.