terça-feira, 22 de junho de 2021

Arraial Live Guará - Falta 1 dia
Horas depois, Ministério volta atrás e suspende proibição de pesca no NE

Horas depois, Ministério volta atrás e suspende proibição de pesca no NE

Pescadores no Rio Mearim
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Poucas horas depois de o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento anunciar a proibição da pesca em áreas do Nordeste que foram afetadas pelas manchas de óleo, o Governo voltou atrás e decidiu suspender proibição. A determinação foi motivada pela “provável contaminação química”, ocasionada pelo derramamento de óleo registrado no litoral do Nordeste.

Segundo informou a ministra Tereza Cristina, a proibição se deu por precaução, uma vez que essa era uma substância desconhecida. “Nós não sabíamos como é que era essa mancha de petróleo, que tipo era. Enquanto isso estava sendo analisado, pelo princípio da precaução, nós suspendemos a pesca em vários estados brasileiros onde esse petróleo chegou”, disse.

Para intensificar os debates sobre essa situação aqui no Maranhão, foi criado na última terça-feira (29), um grupo de trabalho para avaliação e contenção dos danos causados pelo desastre ambiental. Estiveram presentes na reunião o governador em exercício, Carlos Brandão e o capitão dos Portos do Maranhão, Marcio Ramalho Dutra, além de secretários de Estado, representantes do Corpo de Bombeiros, Exército, Polícia Militar, UFMA e órgãos ambientais.

Maranhão afetado
Em laudo do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), divulgado no último dia 6 de setembro, o Maranhão estava indicado como o sexto estado mais afetado pela mancha de óleo cru no Nordeste brasileiro. A mancha de óleo chegou a São Luís, Alcântara e Araioses.

Técnicos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente foram até o local realizar coletas e fazer análises (Foto: Divulgação/SEMA)

Foram 11 locais em que a macha de óleo foi encontrada na costa do Maranhão. No total de cidades, 61 foram afetadas nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Oléo não é do Brasil
Após investigações realizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) com apoio de instituições de segurança sanitária e da Petrobrás, foi constatado que o óleo que atingiu várias praias do litoral do país não é de origem brasileira. A mancha chegou a todos os estados do Nordeste, com exceção da Bahia. Ao todo, 105 localidades de 48 municípios foram atingidas. O monitoramento desses locais tem ocorrido desde o último dia 2 de setembro.

As pessoas removem um derramamento de óleo na praia de Coruripe, estado de Alagoas, Brasil, 14 de outubro de 2019. REUTERS / Adriano Machado

O petróleo foi encontrado em nove tartarugas, seis delas encontradas mortas. Uma das tartarugas atingidas foi vista na Praia de Itatinga, em Alcântara – localizada a 30 km de São Luís. Portal Guará informou no começo desta semana que moradores utilizaram água da praia e areai para limpar o casco e rosto da tartaruga, que foi colocada de novo na água.

– Publicidade –

Outros destaques