sexta-feira, 14 de maio de 2021

Projeto maranhense para a comunidade LGBT é aprovado

Projeto maranhense para a comunidade LGBT é aprovado

DPE-MA junto com o apoio do Núcleo Psicossocial da DPE, ampliou as ações desenvolvidas para o Núcleo de Defesa da Mulher e da População LGBT.
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A Defensoria Pública do Estado no Maranhão (DPE-MA), junto com o apoio do Núcleo Psicossocial da DPE, ampliou as ações desenvolvidas para o Núcleo de Defesa da Mulher e da População LGBT. A instituição aprovou no Ministério dos Direitos humanos o projeto “Respeitar a Diferença é Viver sem Violência”, que tem o objetivo de levar informação para conscientizar a população maranhense sobre questões como gênero e diversidade sexual.

A DPE-MA conta com recursos financeiros para levar uma equipe de pessoas que possa falar com propriedade sobre o assunto e que atenda as demandas relacionadas ao enfrentamento da discriminação e da violência de gênero.

Essa equipe deve ser composta por defensores públicos, assistentes sociais e psicólogos. Eles levarão por 12 meses atividades como, visitas institucionais, palestras, sessões de estudos e capacitações para que a população se conscientize sobre todas as questões que envolva gênero e diversidade sexual. Além disso, serão feitos acompanhamentos e levantamentos de instituições que trabalham na defesa e proteção de pessoas LGBTs, na capital e no interior do estado do maranhão.

Assassinatos e violência contra pessoas da comunidade LGBT cresce ainda mais com o passar dos anos. No ano de 2017 o Grupo Gay da Bahia (GGB), fez um levantamento e o número de pessoas mortas vítimas da homofobia aumentou 30% de 2016 para 2017, sendo 343 vítimas e passando para 445.

A cada 19 horas um LGBT é assassinado ou se suicida vítima da “LGBTfobia”, o que faz do Brasil o campeão mundial desse tipo de crime. Segundo agências internacionais de direitos humanos, o Brasil é o país que mais mata pessoas por homofobia, sendo maior do que nos 13 países do Oriente e da África onde existe pena de morte contra os LGBTs.

– Publicidade –

Outros destaques