Protesto em São Luís cobra respostas sobre Marielle

Atos políticos acontecem em pelo menos 14 países; mandante do crime ainda é desconhecido (Foto: Saori Honorato/Lente Quente)

Quem mandou matar Marielle? A pergunta segue sem resposta, um ano após a execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro.  Apesar da prisão do policial reformado Ronnie Lessa e do ex- policial militar Elcio Vieira de Queiroz no último dia 12, o mandante do crime ainda é desconhecido.

Para cobrar respostas sobre o caso e justiça para milhares de crimes que ocorrem nas periferias, principalmente contra negros e pobres, serão realizados atos políticos em diversos países. Referência na defesa dos direitos dessa população, Marielle se definia nas redes sociais como “Mulher negra, cria da Maré e defensora dos Direitos Humanos”.

Dezenas de capitais brasileiras já realizaram manifestações ao longo da semana. Em São Luís, o ato acontece nessa sexta-feira (15) e começa às 18h na Praça Nauro Machado.

No twitter, o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), afirmou que a associação criminosa de milicianos com setores da política no Rio de Janeiro já está fartamente demonstrada. “É hora de avançar para desmontar esse esquema imundo, torpe e cruel, sejam quem sejam tais políticos e milicianos”, disse.

Estão programado protestos em diversas cidades do Brasil e do mundo, como Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Natal e João Pessoa, além de Buenos Aires, Montevidéu, Paris, Berlim, Amsterdã, Madri, Nova Iorque e Los Angeles, entre outras.