segunda-feira, 3 de outubro de 2022

Quem são os empresários do transporte coletivo de São Luís?

Foto: Reprodução

A greve de ônibus da grande São Luís caminha para o seu 44º dia – durante esse tempo, muito se fala sobre o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Transporte do Estado do Maranhão (STTREMA), Marcelo Brito, mas pouco se fala sobre quais indivíduos estão do outro lado na mesa de negociação: os empresários do Sindicato das Empresas de Transporte (SET).

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Público, que acontece na Câmara de Vereadores de São Luís, atiçou a curiosidade de cidadãos a respeito dos contratos, licitações e dos nomes envolvidos nas negociações. A prefeitura de São Luís tem quatro contratos envolvendo empresas de transporte. São elas o Consórcio Central, o Consórcio Upan Açu (escrito desta forma), a Viação Primor e o Consórcio Via SL.

O contrato com o Consórcio Central foi assinado por José Medeiros, representante Taguatur – Taguatinga Transporte e Turismo LTDA. Faz parte deste consórcio a empresa Rio Anil Transporte e Logística LTDA, a RATRANS, e a Meds Participações LTDA. De acordo com o dados oficiais, o sócio-administrador da RATRANS é José Gilson Caldas Neto, e a capital social é de R$ 2 milhões; e, os da Meds, são Larissa, Marcelo – vice-presidente administrativo e financeiro do SET – e Daniel Nascimento Medeiros. A Viação Estrela é administrada pelos três.

O Consórcio Upan Açu tem a assinatura de João Luís Rezende Matos, representante da Autoviária Matos LTDA, empresa-líder do consórcio. Segundo o site da Receita Federal, é administrada por Jorgelle Maria Rezende Matos Freitas – presidente do SET. Sete empresas fazem parte:

Patrol Transporte, Contrução e Terraplanagem LTDA, de Rodrigo Muniz Ferro, com capital social de R$ 1,5 mi;

Expresso Rio Negro LTDA, de Marcone Douglas Braga Filho, com capital social de R$ 1,5 mi;

Viação Aroeiras LTDA, de José Edézio Vaz de Souza, com capital social de R$ 1,1 mi;

Viper Transporte e Turismo LTDA, de Maria Aparecida Queiroz Abreu, com capital social de R$ 1 mi;

Planeta Transportes LTDA, de David Freire Pires, com capital social de R$ 1,3 mi;

Seta Transportes LTDA, de Antônia Irismar Carneiro de Abreu, com capital social de R$ 700 mil;

e Speed Car Locação e Turismo EIRELI, de João Vitor Cruillas Cardoso Albuquerque, com capital social de R$ 800 mil.

O contrato com a Viação Primor LTDA – empresa responsável também pelo Terminal de Integração da Cohama, que desabou com as chuvas de São Luís – é assinado por Romeu Aguiar Carvalho – vice-presidente técnico, vale-transporte e passe escolar do SET. Os dados oficiais registram também como sócio-administradores Roberto José Carvalho e Fernando de Aguiar Carvalho. Possui capital social de R$ 6,4 mi.

Romeu possui seu CNPJ ligado a 31 empresas em Minas Gerais, no Maranhão e na Bahia. O empresário foi indiciado em novembro de 2021 por formação de cartel, associação criminosa, estelionato e formação da associação criminosa pela CPI que investiga a Empresa de Transporte de Belo Horizonte (BHTrans), instalada pela Câmara Municipal de BH.

O quarto contrato, com o Consórcio Via SL, foi assinado por Euler de Carvalho Duarte, também ligado a diversas empresas em Minas Gerais, Maranhão, Bahia e Rio de Janeiro. Neste consórcio, há:

Expresso Rei de França LTDA, cujo dono é o próprio Euler. A capital social é de R$ 1 mi.

e Transporte Urbano São Miguel de Uberlândia LTDA, com sede em Minas Gerais, com os administradores Euler, Rui de Carvalho Duarte, Duarte Hermes de Carvalho e João Duarte de Alvarenga Carvalho. A capital social desta é de R$ 4,2 mi.

Passagem

Nesta quarta-feira (30), 2º dia da paralisação total da frota de ônibus na Grande Ilha, ocorreu mais uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) entre o Sindicato dos Rodoviários e o SET. Após o aumento de R$ 0,20 na passagem atualizado em fevereiro, os empresários pedem para que a passagem vá de R$ 3,90 para R$ 5,10.

– Publicidade –

Outros destaques