quinta-feira, 24 de junho de 2021

Fique Ligado no São João na Guará
Rodoviários ameaçam greve, caso não haja negociação com empresários

Rodoviários ameaçam greve, caso não haja negociação com empresários

Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

O Sindicato dos Rodoviários declarou que está enfrentando dificuldade em negociar com com os empresários, que segundo eles, vem demonstrando nenhum interesse em discutir a nova Convenção Coletiva de Trabalho dos Rodoviários e que deveria passar a valer já neste mês de setembro. Caso não haja negociação, os rodoviários ameaçam fazer greve.

De acordo com o sindicato, encontros entre as partes chegaram a ser marcados e logo depois, foram desmarcados pelos empresários. A proposta dos rodoviários contempla a categoria com reajuste salarial de 12%, aumento do ticket alimentação para R$ 650, além da manutenção dos demais benefícios, como planos de saúde e odontológico.

O Sindicato dos Rodoviários chegou a receber uma contraproposta do sindicato patronal, que eles não aceitaram.Segundo eles, os empresários solicitam o congelamento de salários; congelamento no valor do ticket alimentação; a participação da categoria no pagamento de 50% do plano de saúde; acabar com o plano odontológico; terceirizar o pessoal da manutenção e do administrativo e o item mais grave, e a extinção da função de cobrador, o que resultaria na demissão destes profissionais.

O sindicato diz que a falta de interesse por parte dos empresários em negociar a Convenção Coletiva de Trabalho, é só uma das consequências da Reforma Trabalhista, aprovada pelo Governo Temer no final do ano passado e que limitou a autonomia das entidades sindicais em todo o país.

“Se não houver a apresentação de uma nova contraproposta, iremos paralisar nossas atividades. Os Rodoviários precisam ter seus direitos, garantidos com muita luta, respeitados. Nossa atividade é perigosa, estressante e cansativa e não vamos permitir que arranquem nossas conquistas. Se não houver negociação, haverá paralisação”, enfatiza Isaias Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

– Publicidade –

Outros destaques