segunda-feira, 21 de junho de 2021

Arraial Live Guará - Faltam 2 dias
Sete pessoas são indiciadas por morte do jogador Daniel no Paraná

Sete pessoas são indiciadas por morte do jogador Daniel no Paraná

Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A Polícia Civil do Paraná vai indiciar, nesta quarta-feira (21), os sete presos acusados de participação no espancamento e morte do jogador Daniel Corrêa, em São José de Pinhais (PR). O jogador foi encontrado em um matagal com o pênis decepado e o pescoço cortado em 27 de outubro.

O assassino confesso, o empresário Edison Brittes, 38 anos, alega que cometeu o crime após o jogador tentar estuprar a mulher dele, Cristiana Brittes, 35 anos. Mas a versão é negada pela polícia. Juninho Riqueza, como é conhecido o comerciante, será denunciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Pode pegar até 30 anos de prisão, caso seja condenado.

Já Cristiana e a filha, Allana Brittes, 18 anos, responderão por coação de testemunha e fraude processual. As investigações da polícia apontam que elas não participaram das agressões a Daniel nem da execução, mas ao lao de Edison coagiram testemunhas dois dias após o crime, motivo que levou elas à prisão.

Daniel era conhecido de Allana e tinha ido até a cidade paranaense para participar da festa de aniversário da jovem, assim como tinha feito em 2017. Logo após saírem de uma boate, a comemoração continuou na casa da família Brittes com um grupo de mais 11 pessoas e Daniel.

Das pessoas que estavam na casa, setes foram presas pelo crime e serão denunciados. As quatro são consideradas como testemunhas do caso. Eduardo Henrique da Silva, 19, David Willian da Silva, 18, e Ygor King, 19, assumiram que participaram das agressões e estavam no carro na hora que Edison teria matado Daniel e responderão por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Já Eduardo Purkote, 18, último preso no caso e que assumiu as agressões na casa, responderá por lesões graves. Ele nega que pegou a faca a pedido de Edison. O rapaz também não estava no carro que deixou Daniel no matagal. O delegado, Amadeu Trevisan, vai entregar ao inquérito no Ministério Público nesta quarta-feira e dará uma entrevista coletiva para apresentar detalhes da conclusão do caso.

– Publicidade –

Outros destaques