terça-feira, 21 de maio de 2024

Vigia teria sido coagido a assumir morte de Brunno

Confissão voluntaria provocou reviravolta na investigação; família de vítima contesta versão

 

A mãe do vigilante João Nascimento Gomes informou a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA) que seu filho estaria sendo coagido a assumir a autoria do crime que vitimou o advogado Brunno Matos, após uma festa no Olho d’Água na madrugada do dia 6 de outubro.

 

A informação foi confirmada pelo presidente da comissão de Direitos Humanos da OAB-MA seccional maranhense da OAB, Luís Antônio Pedrosa. Por telefone, o advogado foi cauteloso e disse que ainda vai conversar com a mãe do vigilante e outros familiares. Ele não indicou quem estaria pressionado João Gomes, mas, há indícios de que seriam pessoas ligadas aos réus.

 

Brunno Matos morreu depois de ser esfaqueado enquanto saía de uma festa em comemoração ela eleição ao senado do candidato Roberto Rocha. Além de Brunno, outras duas pessoas ficaram feridas na briga.

 

Reviravolta

 

A primeira versão do crime era a de que um morador da região teria desferido os golpes. Carlos Marão Filho é o morador e ele está preso suspeito do assassinato. Outro suspeito de participação no caso é o estudante universitário Diego Polary.

A informação dada pelo delegado Márcio Dominici de que o vigilante confessou o crime espontaneamente fez com que o pai de Brunno contestasse esta hipótese. Em entrevista a uma rádio, Rubem Soares afirmou que as imagens não conseguem identificar um carro e não seriam capazes de auxiliar no reconhecimento de uma pessoa.

– Publicidade –

Outros destaques