quinta-feira, 30 de maio de 2024

Coletivo Amazônia Negra Maranhense lança festival

Será lançado neste sábado (9), o “1º Festival Amazônia Negra Pelo Clima” realizado pelo Coletivo Amazônia Negra Maranhense. O evento acontecerá no Solar Cultural da Terra Maria Firmina dos Reis, das 9h às 19h. Por meio de rodas de diálogos, coleta de assinatura e show cultural, o lançamento conta com a colaboração dos coletivos Mulheres Negras da Periferia – Casa das Pretas, Projeto Viva Quilombo na Liberdade e Solar Cultural da Terra Maria Firmina dos Reis.

Pela manhã, às 9h, acontecerá o debate sobre “Conflitos Agrários, Mudanças Climáticas e Racismo Ambiental na Amazônia Maranhense” e o lançamento da segunda edição da revista “Resistência – um mundo sem tempo”. Pela tarde, às 15h, o debate sobre “Favelas Amazônidas e Racismo Ambiental” e à noite, às 19h, o lançamento do “Festival Amazônia Negra Pelo Clima” com apresentação do Tambor de Crioula Filhas de São Benedito, Gisele Padilha e as Caixeiras do Divino Espírito Santo da Família Menezes.

“O lançamento do Festival é uma oportunidade de debatermos com mais profundidade os temas sobre Amazônia maranhense, povos tradicionais, quilombolas, racismo ambiental, crise climática e comunidade negra. Nesse intuito, fortalecemos esses objetivos com a coleta de assinaturas para o projeto de Lei do Movimento Amazônia de Pé. Estamos empenhados em tornar esses temas pulverizados em São Luís”, demonstra a jornalista quilombola e membro do Coletivo Amazônia Negra, Juliane Sousa.

O “Amazônia de Pé” é um movimento que está propondo destinar 57 milhões de hectares de florestas públicas na Amazônia para a proteção dos povos indígenas, quilombolas, pequenos produtores extrativistas e Unidades de Conservação. Nesse sentido, cerca de 1 milhão e meio de assinaturas estão sendo coletadas para que o Projeto de Lei de Iniciativa Popular (PLIP), seja votado no Congresso Nacional. “Temos realizado atividades voltadas para discussões sobre racismo ambiental, território e justiça climática e socioambiental, fruto de um esforço conjunto de várias organizações, para fortalecermos o debate em São Luís e mobilizar a sociedade para construirmos estratégias de enfrentamento às diversas situações. Nesse dia 09, além dos debates, será o lançamento do Festival Amazônia Negra Maranhense que irá acontecer no mês de novembro, antecipa Katia Barros, Educadora Socioambiental e membro do Coletivo Amazônia Negra Maranhense.

As atividades que acontecem desde o último sábado, 02, encerram a semana com o lançamento do Festival que acontecerá somente em novembro, 24 e 25. Até a data, atividades que debatem sobre a Amazônia no contexto do Maranhão, povos originários, quilombolas e comunidade negra farão parte de ações contínuas.

O Coletivo Amazônia Negra Maranhense surgiu a partir do “Diálogos Amazônicos” que aconteceu no início do mês de agosto (4), em Belém – PA. Para fortalecer esta iniciativa, os coletivos Mulheres Negras da Periferia- Casa das Pretas, Projeto Viva Quilombo na Liberdade e Solar Cultural da Terra Maria Firmina dos Reis se uniram para realizar atividades que pudessem fomentar os diálogos no cenário do Maranhão.

No último sábado…

Aconteceu o I Debate sobre a Proteção da Amazônia, Clima, Povos Originários e Quilombolas realizado pelo Coletivo Amazônia Negra Maranhense. O evento teve a participação de crianças, adolescentes e jovens do projeto Viva Quilombo na Liberdade, debatendo sobre racismo ambiental, território e Amazônia maranhense.

Para João Augusto, de 7 anos, morador do bairro da Liberdade, o racismo ambiental está ligado à poluição do seu quilombo e à falta de alimento. “Eu aprendi que se jogar lixo, os bichos irão comer e morrer e a gente vai ter que precisar deles”, alerta a criança.

Serviço:

  • O quê? Lançamento do Festival Amazônia Negra pelo Clima
  • Onde? Solar Cultural da Terra Maria Firmina dos Reis (Rua Rio Branco, 420 – Centro).
  • Quando? 9 de setembro, das 9h às 19h.
  • Quem? Coletivo Amazônia Negra Maranhense.
– Publicidade –

Outros destaques