sexta-feira, 19 de abril de 2024

Luciana Genro diz não a Aécio e Dilma no 2º turno

Não será apenas o tucano Aécio Neves que ficará sem o apoio da “nanica” com a maior votação na eleição presidencial. Luciana Genro (PSOL), que obteve 1,6 milhão de votos no domingo, também disse “não” à presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) no segundo turno.

Em entrevista Luciana afirmou que “a posição mais provável é que o PSOL não apoie ninguém, partindo dessa definição de que nós negamos o Aécio, e também não apoiar a Dilma”. O partido deve comunicar sua posição oficial na tarde desta quarta-feira (8).

No início da semana, Luciana já havia rejeitado o apoio ao candidato do PSDB no segundo turno. Faltava avaliar, no entanto, um eventual apoio à petista.

A presidente ainda espera por isso. As chances de Dilma aumentaram após a declaração do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), o mais votado no Rio de Janeiro. Em entrevista à rádio CBN, o parlamentar afirmou que votará em Dilma, independente da decisão de seu partido, por temer um “retrocesso” com Aécio.

Segundo Luciana, no entanto, o apoio formal do PSOL “provavelmente não vai acontecer”.

Para a ex-deputada, nem Dilma nem Aécio defenderão as bandeiras de seu partido, que “só terão chances de avançar com pressão popular”.

A presidenciável do PSOL criticou ainda a ex-senadora Marina Silva (PSB), que se apresentou durante a campanha eleitoral como a “nova política” e como a voz dos protestos de junho de 2013.

— Nossa candidatura do PSOL foi a única que realmente vocalizou as demandas de junho, de uma forma clara e categórica. Não apenas num discurso vazio e marqueteiro de nova política que não se traduzia numa nova política real.

Para Luciana, o provável apoio de Marina a Aécio é uma demonstração de que a ambientalista não representa “o novo” na política brasileira.

– Publicidade –

Outros destaques