sexta-feira, 12 de abril de 2024

Conheça a facção criminosa baiana responsável pelo assalto em Bacabal

A grande ação criminosa que aconteceu neste último domingo (25) em Bacabal que aterrorizou os moradores resultou na morte de três criminosos, um deles, Edielson Francisco Lumes, o Dô ou Titi,  irmão de José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, líder de uma das mais perigosas facções da Bahia.

O Bonde do Maluco tem interligação nos nove estados da região e ramificações no Uruguai, onde vive Zé de Lessa. Segundo o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, o grupo criminoso tem atuação em quase todos os estados do Nordeste. “É uma modalidade conhecida como ‘novo cangaço’, que usa extrema violência e busca matar policiais”, declarou.

O Bonde do Maluco

O grupo é um dos cinco grupos criminosos mais atuantes na Bahia, e considerado o mais violento, o Bonde do Maluco (BDM) surgiu em 2015 no pavilhão V do Presídio Salvador, no Complexo Penitenciário da Mata Escura.

Liderada pelo assaltante de banco José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, que está foragido, o grupo nasceu como uma ramificação da facção Caveira, comandada por Genilson Lima da Silva, o Perna, atualmente preso no Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná.

Entre inúmeras tentativas para prendê-lo, Zé de Lessa, apontado como chefão do BDM, foi o principal alvo da Operação Sapucaia, realizada em abril de 2016 pela Polícia Federal na Bahia e no Mato Grosso do Sul, com o objetivo de cumprir 13 mandados de prisão. Ele é o ás de ouros do Baralho do Crime da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), ferramenta que reúne os principais criminosos do estado.

O bandido foi caçado em Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai. Dos 13 mandados de prisão, a Polícia Federal conseguiu cumprir oito. Alguns deles, dentro do próprio sistema penitenciário baiano. O alvo da operação é apontado pela polícia como o maior distribuidor de drogas da capital e do interior, com especialidade em assalto a bancos e a carros-fortes.

Zé de Lessa começou na vida do crime fazendo assalto a instituições financeiras. Foi preso algumas vezes e a última vez que saiu da prisão foi para terminar de cumprir a pena no regime domiciliar. Desde então, foi morar na cidade de Coronel Sapucaia, no Mato Grosso do Sul, divisa com o Paraguai, de onde começou a enviar carregamentos de drogas para abastecer sua quadrilha na Bahia.

Ele criou o BDM dentro da cadeia e logo a facção passou a ganhar destaque. Ele tem entre seus principias comparsas alguns parentes.

 

Com informações do Correio 24 Horas

– Publicidade –

Outros destaques