sexta-feira, 21 de junho de 2024

Conheça sete curiosidades sobre bebês que você não sabia

Pessoas bonitas não “produzem” bebês bonitos

 

Um estudo publicado na revista infantil Behavior & Development revelou que pessoas bonitas não “produzem” bebês bonitos — pelo menos não é um padrão. Quando 253 estudantes universitários foram convidados a classificar fotos dos mesmos indivíduos como crianças e enquanto adultos (sem saber quem era quem), não houve qualquer relação entre o quão bonito os alunos classificaram os bebês e quão atraentes eles acharam os adultos.

 

Eles são bons em dividir

Um estudo da Universidade de Washington filmou 47 bebês após receberem leite e bolachas suficientes apenas para duas pessoas. Quando um recebeu mais alimentos do que o outro, os bebês prestaram atenção. Isso significa que eles esperavam uma distribuição justa. Os pesquisadores também descobriram que os bebês que notaram a injustiça eram mais propensos a compartilhar seus próprios brinquedos.

 

Eles sabem ler mentes

 

Não, eles não são gurus! Mas um estudo recente da Universidade de Missouri descobriu que os bebês com apenas 10 meses de idade estão conseguem seguir o processo de pensamento de outros. Yuyan Luo, professora de psicologia que conduziu o estudo, disse ao The Huffington Post que “os bebês, assim como os adultos, quando veem algo pela primeira vez —algo surpreendente —, olham por um longo tempo. Isso mostra que reconhecem quando algo é inconsistente”.

 

Esse processo é chamado de “violação da expectativa”, explicou ela. Quando os bebês são surpreendidos por algo ou percebem que alguma coisa inesperada aconteceu, eles tendem a observar mais. Na pesquisa de Luo, os bebês viram atores escolherem o objeto A (como um bloco ou um cilindro) ao invés de o objeto B. Quando um ator depois voltou atrás e escolheu o objeto B, os bebês olharam por cerca de cinco a seis segundos a mais, ou seja, eles reconheceram a mudança na escolha.

 

Eles conseguem diferenciar raças

 

Pesquisadores da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, descobriram que os bebês começaram a mostrar preferência por pessoas de sua raça com apenas três meses de idade. O mesmo estudo mostrou que os bebês que estão expostos a pessoas de todas as raças são menos propensas a desenvolver viés racista.

 

Eles têm ritmo

 

Pesquisadores da Universidade Brigham Young University descobriram que bebês de cinco meses de idade conseguem identificar uma música animada de outras que são tristes e lentas. Em outras palavras: se estão felizes, eles sabem disso e baterão palmas. Os pesquisadores mostraram a bebês um rosto sem expressão enquanto uma música era tocada. Quando tocaram uma música triste, os bebês desviaram o olhar.

 

Bebês têm senso de moralidade aos seis meses de idade, dizem pesquisadores de Yale

 

Durante o estudo de Yale, os bebês assistiram a um show de marionetes em que um boneco de madeira com olhos tentou diversas vezes subir uma colina. Às vezes, um segundo boneco ajudava a subir, mas em outras um terceiro boneco os empurrou para baixo. Depois de assistir ao ato várias vezes, os bebês foram presenteados com as duas marionetes. Eles mostraram uma clara preferência pelos bons personagens.

 

Eles podem ler lábios

 

O doutor Janet Werker da Universidade de British Columbia estuda como os bebês percebem a linguagem e descobriu que, se a mãe falava duas línguas durante a gravidez, o filho conseguia reconhecer a diferença. A pesquisa de Werker revelou que bebês de quatro a seis meses de idade podem diferenciar visualmente duas línguas ao assistir vídeos mudos.

 

 

– Publicidade –

Outros destaques