quinta-feira, 30 de junho de 2022

G10 Editora

Diretor de presídio é preso em Pedrinhas

A prisão foi motivado por suspeitas de envolvimento na facilitação da fuga de três detentos da unidade prisional.

 

O diretor da Casa de Detenção (Cadet) de Pedrinhas, Claudio Barcelos, foi preso, na manhã desta segunda-feira (15), por suspeitas de envolvimento na facilitação da fuga de três detentos da unidade prisional. 

 

Fuga

 

No dia 28 de agosto de 2014, três presos; José Wilson Pereira, o “Juninho”, Rodrigo Bezerra Nunes, o “Rodrigo Neguinho” ou “Negro da Usina”, e Paulo Leandro Maciel da Silva, o “Deputado”, conseguiram sair da Cadet com a maior facilidade e com a conivência da direção.

 

Há informes que a facilitação de tal fuga custou em torno de R$ 350 mil. Os detentos antes de conseguirem fugir gozavam de privilegio e regalias fora do comum, pois eram tidos com presos ricos.

 

Histórico dos presos soltos:

 

Uma operação deflagrada por policiais da Superintendência Estadual Investigações Criminais (Seic), coordenadas pelo Departamento de Combate a Roubos a Instituições Financeiras (Dcrif), resultou na desarticulação de uma quadrilha interestadual especializada em assaltos a carros fortes e agências bancárias que atuava nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

 

A organização criminosa foi apresentada no dia 1° de abril de 2014, pelo secretário de Segurança Pública a época, Aluísio Mendes, durante entrevista coletiva à imprensa, no Auditório da SSP, em São Luis.

 

O grupo é apontado como responsável pelas ações criminosas nas cidades de São João dos Patos e Sítio Novo do Maranhão, nas quais foram realizados dois roubos a carros fortes nos dias 17 de dezembro de 2013 e 18 de março de 2014. A Polícia investiga ainda a participação da quadrilha em outros roubos a carro forte nos estados da Bahia, do Goiás, de Pernambuco e do Pará.

 

Durante a ação policial, foram detidos quatro dos seis envolvidos nos crimes. São eles: José Wilson Pereira, o “Juninho”, 30 anos, natural de Goiânia (GO), que tem passagem pela polícia por latrocínio, extorsão mediante sequestro e por outros crimes nos estados do Tocantins, Goiás e no Distrito Federal.

 

O preso na ação foi Rodrigo Bezerra Nunes, o “Rodrigo Neguinho” ou “Negro da Usina”, de 28 anos, natural de João Lisboa (MA), que responde pelos crimes de assalto e é acusado de integrar uma quadrilha responsável pelo roubo a uma Agência Bancária no interior do Maranhão.

 

Paulo Leandro Maciel da Silva, o “Deputado”, 28 anos, de Imperatriz, é acusado de assaltar um banco na cidade de Mirador, no Maranhão. De acordo com a Seic, as ações foram deflagradas com base em investigações que duraram cerca de três meses, nas cidades de Araguaína (TO), Sítio Novo (MA) e Goiânia (GO) e contaram com o apoio do Grupo Tático Aéreo (GTA) do Maranhão, do Departamento Estadual de Investigações Criminais dos estados do Goiás e Tocantins e do Departamento de Repressão ao Crime Organizado do Pará. A operação se estendeu por 10 dias.

 

Prisão

 

Na época da prisão dos bandidos, o delegado Luís Jorge Santos explicou que os criminosos já estavam sendo monitorados desde o roubo a carro forte na cidade de São João dos Patos, fato ocorrido no 17 de dezembro de 2013. “Depois desse crime, a quadrilha agiu nas cidades de Redenção, no Pará, em Petrolinas (PE), Teresina do Goiás (GO), e por último em Sítio Novo do Maranhão. Soubemos também que eles iriam agir em uma cidade da Bahia” explicou o delegado que coordenou a operação.

 

A quadrilha, segundo Luis Jorge, está segmentada. Uma parte está atuando na Região do Nordeste, entre Pernambuco e Bahia, e outra que estava agindo no Maranhão e em Goiás. “Esse bando utiliza armamentos extremamente pesados. Na última ação, em Sítio Novo, os elementos usaram seis fuzis de guerra, explosivos e uma metralhadora de calibre ponto 50, capaz de derrubar aviões”, informou o experiente delegado.

– Publicidade –

Outros destaques