sexta-feira, 19 de abril de 2024

Homem que usa explosivos para fazer refém em hotel deixou cartas de despedida para a família no Tocantins

Segundo a polícia, ele afirma que pretende acabar com sua vida

Homem chegou a apontar a arma para as pessoas que estão nas proximidades do hotel. Ele saiu na sacada do quarto junto com o refém por algumas vezes
Reprodução/TV Record
O homem que está com explosivos e um refém dentro do Hotel Saint Peter desde às 9h desta segunda-feira (29) deixou três cartas de despedida para a família, no Tocantins. Segundo a Polícia Civil, ele é de Combinado (TO) e nas cartas alega desespero e pede desculpas para a mãe, para os tios e para os primos. Ele diz que “toda tempestade passa”.

O suspeito algemou e colocou um colete com 16 bananas de dinamite no refém que é mensageiro do hotel. A vítima e o suspeito chegaram a aparecer na janela no 13º andar do hotel, com as bombas penduradas no corpo. A polícia identificou o homem como Jac Souza, de 30 anos.

Segundo a Polícia Civil, nas cartas ele não fala em explosivos, mas diz que vai cometer um ato de desespero. Durante as negociações, ele deu um prazo até as 18h, quando afirma que pretende explodir as 16 dinamites que estão no colete que ele vestiu no funcionário do hotel.

Após o início do cárcere, funcionários do hotel ligaram para os outros apartamentos e pediram que os hóspedes deixassem o local.

O Esquadrão de Bombas cercou o local e negocia a liberação do refém. Viaturas do Corpo de Bombeiros também estão no hotel e o prédio já foi esvaziado. De acordo com a polícia, o homem que ameaça detonar as bombas pede a extradição de Cesare Battisti e a saída da presidente Dilma Rousseff, além da aplicabilidade da Lei da Ficha Limpas nas Eleições 2014. Ele é funcionário público no Tocantins. Apesar da motivação política do cárcere, segundo a polícia o homem faz pedidos desconexos. Ele já foi candidato a vereador em Combinado (TO) em 2008, mas não foi eleito.

A polícia posicionou atiradores de elite na região do hotel onde um funcionário é mantido refém. Os atiradores estão em pontos estratégicos, como nas coberturas de prédios vizinhos ao hotel.

Segundo o chefe da Divisão de Comunicação da Polícia Civil, Paulo Henrique Alves de Almeida, o suspeito está muito nervoso e por isso houve a necessidade da preparação dos snipers, como são conhecidos os atiradores especialistas em tiros de longa distância.

Ainda de acordo com a polícia, o homem deu um prazo até as 18h aos negociadores para a aplicação da lei da Ficha Limpa e a extradição do ex-ativista italiano Cesare Battisti. Os agentes tentam negociar.

– Publicidade –

Outros destaques