quarta-feira, 19 de junho de 2024

HSE promove evento de conscientização sobre higienização das mãos e adorno zero

O Hospital do Servidor Estadual (HSE – HSLZ) realizou um importante evento de conscientização interna com o tema “Higienização das Mãos e Adorno Zero: Uma Dupla Imbatível”, destacando a crucial importância dessas práticas para a prevenção de infecções hospitalares, através de palestras educativas.

O encontro reuniu profissionais multidisciplinares de saúde do HSE – HSLZ, reafirmando a necessidade contínua de seguir protocolos rigorosos para garantir a segurança de pacientes e profissionais. E foi uma promoção conjunta da Diretoria Geral, Diretoria Administrativa, CCIH / Comissão de Controle de Infeção Hospitalar; NSP / Núcleo de Segurança do Paciente e NEPE / Núcleo de Educação Permanente do HSE – HSEL.

A prática de higienizar as mãos e a política de adorno zero, que proíbe o uso de anéis, pulseiras, relógios e outros acessórios durante o atendimento, não são protocolos novos, ao contrário, e seguem sendo pilares fundamentais na prevenção de contaminações no ambiente hospitalar. Dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostram que a higienização correta das mãos pode reduzir em até 40% a incidência de infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS).

Na palestra sobre a higienização das mãos, foi mostrado que em cada centímetro quadrado de uma mão, existem em média 1.000 bactérias. A saliva humana também é rica em bactérias, portando todo cuidado é pouco ao espirar e usar as mãos sem higienização posterior. Outro cuidado especial é com o manuseio de notas de dinheiro, que contém vírus, fungos e bactérias. Em suma, lavar as mãos sempre é preciso. E quando as mãos são higienizadas de forma correta e segundo os protocolos médicos – antes e após o contato com o paciente e áreas próximas a ele – há uma redução de 43% da incidência de doenças diarréicas e 16% das doenças respiratórias.

Sobre a política de adorno zero, foi reforçado na palestra do HSE – HSLZ que devem ser estritamente proibidos no ambiente hospitalar os seguintes itens: alianças, anéis, colares, brincos, pulseiras, relógios de uso pessoal, broches, piercings expostos, gravatas, crachás pendurados em cordões e unhas artificiais. E mais, segundo a Norma NR32 “a proibição do uso de adornos deve ser observada para todo o trabalhador do serviço de saúde, bem como para aqueles que exercem atividades de assistência à saúde exposto ao agente biológico, independente da sua função”.

Segundo a enfermeira Rebeca Cutrim, Coord. do NEPE / Núcleo de Educação Permanente do hospital, mais que um evento educativo, essa é uma causa permanente e de todas as equipes do Hospital do Servidor Estadual:

“A adoção rigorosa dessas práticas é essencial para garantir um ambiente mais seguro. E por isso estamos todos unidos nessa causa, da Direção Geral aos diversos núcleos do HSE, tais como o de Educação Permanente, o de Segurança do Paciente, a Comissão de Controle de Infecção Hospital, o Núcleo de Segurança do Trabalho, e cada colaborador do HSE-HSLZ. Essa tem que ser uma luta permanente e de todos em prol da prevenção de infecções hospitalares”, afirmou Rebeca Cutrim.

Segundo Rafisa Costa, Técnica de Segurança do Trabalho do HSE – HSLZ, cada profissional precisa entender que todos os adornos – como brincos, anéis, colares e pulseiras – são fontes de contaminação e precisam ser evitados no ambiente hospitalar em prol da segurança e da vida de cada paciente.

Vale lembrar que, entre as doenças que podem ser transmitidas por mãos não higienizadas estão as infecções por Staphylococcus aureus, incluindo a cepa resistente à meticilina (MRSA), Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e o vírus da gripe. Estas infecções podem levar a complicações graves, especialmente em pacientes imunocomprometidos, idosos e aqueles submetidos a procedimentos invasivos. Em suma, a falta de higienização adequada das mãos pode resultar em surtos de infecções hospitalares que aumentam a morbidade, a mortalidade e os custos de internação.

Estudos recentes reforçam a eficácia dessas práticas do adorno zero e de higienização das mãos. Uma pesquisa publicada no Journal of Hospital Infection revelou que a implementação rigorosa de protocolos de higienização das mãos e adorno zero reduziu em 30% a taxa de infecções hospitalares em uma grande instituição de saúde no Brasil. Outro estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) enfatiza que a higienização adequada das mãos é uma das intervenções mais simples e eficazes para prevenir a disseminação de infecções, salvando milhões de vidas a cada ano. Mas ainda assim, educar é preciso, pois muitos profissionais de saúde ainda negligenciam essas práticas em todo o país.

“É um desafio constante. Precisamos educar e reeducar nossas equipes multidisciplinares sobre a importância de manter essas medidas. Eventos como este são fundamentais para reforçar a cultura de segurança e prevenção que é um valor primordial da nossa gestão no HSE – HSLZ. Estão de parabéns pela promoção desse evento a CCIH / Comissão de Controle de Infeção Hospitalar, o NSP / Núcleo de Segurança do Paciente e o NEPE / Núcleo de Educação Permanente. É um somatório de esforços importantes. Que cada vez mais consigamos reduzir as infecções hospitalares com medidas eficazes como essas. Já temos índices bem aceitáveis, mas queremos aumentar cada vez mais a segurança do paciente e do nosso ambiente hospitalar. Esse evento não é isolado, mas um esforço permanente, que demonstra como o Hospital do Servidor Estadual é comprometido com a segurança de seus pacientes e profissionais” declarou o Diretor Geral Plinio Valério Tuzzolo.

A luta contra as infecções hospitalares é constante, e a adesão a práticas simples, mas altamente eficientes como essas continua sendo uma arma poderosa contra as infecções hospitalares.

– Publicidade –

Outros destaques