domingo, 25 de setembro de 2022

IBGE divulga inflação em São Luís e em todo o país; números em queda

O IBGE informou a inflação oficial da cidade de São Luís, que é medida pelo IPCA. No mês de agosto foi registrada queda de -1,07%, o 2° mês seguido de deflação consecutiva e maior que a média nacional. A queda foi maior que a registrada em julho (-0,63%).

No ano, a inflação acumulada é de 4,09% e, nos últimos 12 meses, de 8,70%. O resultado de agosto foi influenciado principalmente pela queda no grupo dos Transportes (-5,78%). Além disso, tivemos baixa no grupo de Habitação com (-1,86%), no grupo Comunicação com queda de (-1,22%) e o grupo de Alimentação e bebidas registrou queda de (-0,47%).

Nas altas, o destaque foi Saúde e Cuidados Pessoais (2,13%); o grupo de Vestuário subiu 1,94%. Os demais grupos ficaram entre o 0,22% de Despesas pessoais e o 1,08% de Artigos residências.

medidas Nacionais

O IBGE divulgou a inflação oficial do país, que é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No mês de agosto foi registrada queda de 0,36%, sendo a 2ª deflação consecutiva. A queda foi menos intensa do que a registrada em julho (-0,68%), quando a taxa foi a menor desde o início da série histórica da pesquisa, em janeiro de 1980.

No ano, a inflação acumulada é de 4,39% e, nos últimos 12 meses, de 8,73%. Assim como em julho, o resultado de agosto foi influenciado principalmente pela queda no grupo dos Transportes (-3,37%), que contribuiu com -0,72 ponto percentual (p.p.) no índice do mês. Além disso, o grupo Comunicação (-1,10%) também recuou, com impacto de -0,06 p.p.

No lado das altas, o destaque foi Saúde e Cuidados Pessoais (1,31%), que contribuiu com 0,17 p.p. em agosto.

O grupo Alimentação e bebidas (0,24%) desacelerou em relação a julho (1,3%), com impacto de 0,05 p.p. Os demais grupos ficaram entre o 0,1% de Habitação e o 1,69% de Vestuário, maior variação positiva no IPCA de agosto. No grupo Alimentação e bebidas (0,24%), o resultado da alimentação no domicílio (0,01%) ficou próximo da estabilidade.

Houve altas em componentes importantes na cesta das famílias, como o frango em pedaços (2,87%), o queijo (2,58%) e as frutas (1,35%). Por outro lado, ocorreram quedas expressivas nos preços do tomate (-11,25%), da batata-inglesa (-10,07%) e do óleo de soja (-5,56%). Além disso, o preço do leite longa vida, que havia subido 25,46% em julho, caiu 1,78% em agosto, contribuindo com -0,02 p.p. no índice do mês.

A variação da alimentação fora do domicílio (0,89%) ficou próxima à do mês anterior (0,82%). Enquanto a refeição passou de 0,53% para 0,84%, o lanche desacelerou de 1,32% para 0,86%.

Wagner Matos – economista

– Publicidade –

Outros destaques