quarta-feira, 17 de abril de 2024

Lahesio Bonfim diz ser perseguido após pedido de afastamento e acusação de fraude em licitações

Foto: Reprodução

O prefeito de São José dos Crentes, Lahesio Bonfim, usou as redes sociais no sábado (19) para se pronunciar sobre o pedido afastamento de suas funções. Na ocasião, Lahesio fala que, antes da decisão ser protocolada no tribunal de justiça, todos os blogs já haviam divulgado a noticia; e que o procurador teria agido na intenção de manchar sua imagem. O gestor municipal continua a afirmar que é o único adversário do atual governador que, segundo ele, teria o colocado nessa situação.

No vídeo, o prefeito acusado de desvio de combustível diz ser o que menos gastou com gasolina no ano de 2018, com uma despesa de menos de R$ 60 mil por mês. Segundo Lahesio, o procurador estaria associando faturamentos de R$ 44 mi a uma prefeitura que recebe somente R$ 17 mi por ano.

Denuncias contra Lahesio Bonfim

Tomando como base investigações do 2º Departamento de Combate à Corrupção da Polícia Civil do Maranhão, que apurou comunicações anônimas de desvio de verbas públicas na Prefeitura de São Pedro dos Crentes, a partir do Pregão Presencial nº 26/2018, o Ministério Público apontou ilegalidades no processo licitatório. Dentre as práticas ilegais, estariam pesquisas de preços realizadas com apenas duas empresas – sendo uma delas remanescente do processo de contratação anterior ao Pregão -, sobrepreço na planilha orçamentária; irregularidade na inserção de cláusulas restritivas no edital; irregularidade nos documentos de habilitação das licitantes Presencial 026/2018.

Segundo a denúncia, as empresas Auto Posto Fortaleza e Andrade e Coutinho foram beneficiadas pelo presidente da Comissão Permanente de Licitação e Pregoeiro de São Pedro dos Crentes, que permitiu a participação delas mesmo que tenham apresentado documentos irregulares e com informações inverídicas, aplicando modelo de termos e itens ao certame de modo a prejudicar a administração municipal.

“O conluio entre as empresas ficou demonstrado durante a sessão pública (referente ao Pregão Presencial 026/2018), onde elas se revezam nos lotes e itens, o que favorece a contratação do mesmo item por valores diferentes e a divisão do valor total da contratação, ficando a empresa Auto Posto Fortaleza com 56% do valor total do contrato e a Andrade e Coutinho, com 44%”, atesta a denúncia do MPMA.

Conforme o Ministério Público, tudo isso se justifica pela evidente proximidade entre o prefeito Lahesio Bonfim, o Auto Posto Fortaleza e a Andrade e Coutinho Ltda. De acordo com o que foi apurado pela Polícia Civil, no início do ano de 2019, o o Auto Posto Fortaleza foi locado para Rômulo Costa Arruda, amigo do prefeito, e, apenas poucos meses depois, passou a ser controlado por Rodrigo Cruz Lima de Oliveira, outro amigo do gestor municipal, de maneira informal.

– Publicidade –

Outros destaques