domingo, 14 de abril de 2024

Mãe entra na Justiça para dar nome inspirado em filme à filha

Uma mulher teve quer recorrer à Justiça para ter o direito de registrar a filha em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte. A mãe queria que a menina chamasse Emmilayne, mas o funcionário do único cartório da cidade achou o nome estranho e negou o registro.

 

A inspiração para o nome veio do filme A Lagoa Azul, clássico dos anos 1980, no qual os personagens, Richard e Emmeline, sobrevivem isolados em uma ilha.

 

A mãe da criança, Ladyane Silva, conta que antes mesmo da menina nascer já sabia o nome que daria para ela. 

— Eu sempre falei que se tivesse um menino ia chamar Richard e eu já tenho um filho. Se fosse uma menina ia chamar Emmylaine

 

Os pais não aceitaram a decisão e, após três tentativas, conseguiram na Justiça um documento que lhes permitiram registrar a filha. Ladyane saiu feliz do local depois de resolver o impasse. 

— Agora a Emmylaine existe. Se as mamães quiserem copiar podem ficar à vontade, agora não tem mais dificuldade

 

Os oficiais de registro civil podem negar o registro caso entendam que o nome pode expor a pessoa ao ridículo, mas não existe uma lista com nomes proibidos. De acordo com a lei, o que vale nesta hora é o bom senso.

– Publicidade –

Outros destaques