sábado, 13 de agosto de 2022

Maranhão precisa qualificar mais de 80 mil trabalhadores até 2023

As indústrias, no Brasil, necessitam de novas tecnologias e mudanças na cadeia produtiva e isto influencia diretamente na necessidade de qualificação do mercado de trabalho. São mais de 9 milhões de pessoas que necessitam ser capacitadas em até quatro anos, de acordo com o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgado na imprensa em maio deste ano.

O Maranhão vai precisar qualificar mais de 80 mil trabalhadores em profissões industriais (nos níveis superior e técnico) até 2023.

Segundo a CNI, o Brasil precisará investir em aperfeiçoamento e requalificação, e as áreas com maior demanda por formação são transversais (que permitem ao profissional atuar em diversas áreas, como técnico em segurança do trabalho, técnico de apoio em pesquisa e desenvolvimento e profissionais da metrologia, por exemplo): metal mecânica, construção, logística e transporte e alimentos e bebidas.

A formação técnica é importante para a inserção dos jovens no mercado de trabalho. É o que acredita o técnico industrial em Edificações, Edmilson Vaz, de 47 anos, pós-graduado em Gestão Pública Municipal pela UEMA – Universidade Estadual do Maranhão. Vaz, que também é membro do Sindicato da categoria e do Conselho Regional dos Técnicos Industriais da 2a Região, ressaltou que são necessárias mais melhorias na área. “Precisamos avançar em tratativas da pauta política dos Técnicos Industriais também no estado, assim como conseguimos juntos com as lideranças dos técnicos, em todo país, apoio no Congresso para aprovar a lei 13.639 de 2018 que criou o Conselho dos Técnicos Industriais. A partir disso, foram determinadas as atribuições para o exercício profissional das modalidades no setor”. Vaz pontuou que é possível ainda aproveitar as oportunidades de trabalho, ampliando o alcance dos cursos técnicos no ensino médio e pelo investimento em pesquisa.

– Publicidade –

Outros destaques