quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

Maranhão registrou mais de 2 mil casos de hanseníase, em 2023

Pelo menos 2.216 casos de hanseníase foram diagnosticados no estado do Maranhão em 2023, sendo 164 casos na faixa etária menor de 15 anos. A Secretaria de Estado da Saúde (SES) alerta que a hanseníase é uma doença infecciosa crônica e depende de um diagnóstico precoce para evitar o desenvolvimento de sequelas.  Além disso, reforça que a doença tem cura e o tratamento é gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A hanseníase é uma doença transmissível que atinge pele e nervos periféricos, podendo levar a sérias incapacidades físicas. A infecção pode causar lesões neurais e danos irreversíveis. Mancha no corpo, com alteração de sensibilidade; dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas; caroços e inchaços pelo corpo, em alguns casos avermelhados e doloridos, são sinais ou sintomas da doença. Em caso de suspeita, o paciente deve procurar a unidade de saúde para avaliação.

Janeiro Roxo

O mês de janeiro é destinado às ações estratégicas de enfrentamento da doença. Na rede estadual, a SES mantém ao longo do ano ações de monitoramento, fortalecimento do diagnóstico e promoção do tratamento aos pacientes.

“A campanha Janeiro Roxo é importante visto que ainda somos um dos estados mais endêmicos na questão do número de casos. Por isso, precisamos estar alertas aos sinais e sintomas, para que na primeira suspeita da doença o indivíduo procure uma unidade básica de saúde.  Assim é possível receber avaliação clínica e, caso sendo confirmada a doença, iniciar o tratamento”, disse a secretária adjunta da Política de Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, Deborah Campos.

No âmbito do SUS, o tratamento e acompanhamento dos pacientes é realizado em unidades básicas de saúde e de referência. A critério médico, quando necessário, o paciente pode ser encaminhado para serviços de referência, bem como para se verificar e acompanhar a necessidade de prescrição de outros medicamentos previstos para o tratamento.

Na rede da Secretaria de Estado da Saúde, as unidades de referência para atendimento especializado são o ambulatório do Hospital Dr. Genésio Rêgo e o Hospital Aquiles Lisboa (HAL), ambos equipamentos estão localizados em São Luís.

Valdeilson Ferreira e Glauciane Ribeiro, pais da Maria Valentina Ferreira, de 2 anos, observaram uma mancha esbranquiçada na região do tórax da criança e não pensaram duas vezes em levar a filha para consulta dermatológica. “O atendimento foi muito bom e atencioso. Eu entendo que os pais precisam estar atentos com seus filhos, porque eles não vão saber explicar o que acontece, então, cabe a nós observar tudo”, comentou.

A enfermeira Luciana Lima, acompanha o atendimento dos pacientes no Hospital Dr. Genésio Rêgo, uma das unidades de referência da SES nos casos de hanseníase. “Durante a consulta, ouvimos as queixas e fazemos o exame chamado dermatoneurológico, fazendo a avaliação da pele. Nos locais onde há presença de mancha é feito o teste de sensibilidade e, se identificada suspeita da doença, a pessoa é encaminhada para a avaliação neurológica”, explicou.

Durante o Janeiro Roxo, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) intensificará os alertas sobre os sinais e sintomas da hanseníase, assim como a importância do diagnóstico precoce. Entre as estratégias, destaca-se a aplicação do Questionário de Suspeição, por meio dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), no Maranhão. Na ocasião, se for relatado o aparecimento de características da doença, a pessoa será encaminhada encaminhado a unidade de saúde mais próxima para iniciar a investigação. A ação tem início previsto para segunda quinzena de janeiro. 

“O principal objetivo da campanha é alertar a população sobre os principais sinais e sintomas da hanseníase e desmistificar a doença. Ao alertar a sociedade civil quanto a sinais e sintomas da doença, intensificamos a importância do diagnóstico precoce, contribuindo para que profissionais de saúde, gestores e instituições estejam sensibilizados para aderir à mobilização e fomentar a divulgação da informação que favoreça a redução do estigma e do preconceito”, destacou a coordenadora estadual do Programa de Controle da Hanseníase e Tuberculose da SES, Mágela Conceição Gonçalves Oliveira Santos.

Dados

O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) registrou 2.349 casos de hanseníase em 2022, sendo 187 casos da doença na faixa etária menor de 15 anos. Os municípios, através das Unidades Básicas de Saúde (UBS), realizam diagnóstico e tratamento da doença. O Hospital Aquiles Lisboa em São Luís, funciona como ambulatório especializado e unidade hospitalar de referência.

Em 2023, de acordo com dados parciais do SINAN, os 10 municípios maranhenses com maior número de casos novos de hanseníase diagnosticados, foram: São Luís (209), Imperatriz (88), Codó (77), São José de Ribamar (61), Timon (60), Açailândia (40), Caxias (39), Paço do Lumiar (38), Bacabal (37) e Santa Luzia (32).

– Publicidade –

Outros destaques