segunda-feira, 22 de abril de 2024

Prefeitura entrega obra de manutenção e reforma da Praça da Faustina, no Centro

O prefeito Eduardo Braide entregou a obra de manutenção e reforma da Praça da Faustina, localizada na Rua do Giz, no Centro Histórico de São Luís. Os serviços foram realizados pela Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação (Semurh) e a Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (Fumph). A obra integra o programa de revitalização do Centro Histórico, executado pela Prefeitura de São Luís. Para celebrar, um grupo de tambor de crioula se apresentou no local. “Estamos fazendo um grande trabalho de requalificação do nosso Centro Histórico, onde já entregamos a revitalização das fachadas dos casarões da Rua do Giz, as obras de acessibilidade do Centro Acessível, a reforma de dois casarões destinados à moradia de interesse social, reforma da fachada do Mercado das Tulhas e, em breve, vamos entregar a Praça Valdelino Cécio, que também está sendo reformada. Hoje entregamos a Praça da Faustina totalmente restaurada. São muitas ações que estamos fazendo no Centro Histórico, afinal ele não é só nosso, é patrimônio do mundo”, disse o prefeito Eduardo Braide.

O projeto arquitetônico do espaço é da Fumph, ficando a cargo da Semurh a execução dos serviços, com investimento de mais de R$ 210 mil. A obra de manutenção e reforma da Praça da Faustina contemplou a conservação do traçado existente e materiais já empregados, tendo sido substituído o piso e os bancos, com a colocação de alguns para aproveitar a sombra das árvores existentes.

Foram feitas manutenções nas lixeiras e na iluminação, além da implantação de novo paisagismo. Também foram executados serviços de pintura das paredes e demais elementos, assim como a reforma da capela, substituindo seu telhado, bancada e revestimento interno.

A capela recebeu, ainda, nova iluminação, grade de proteção e o portão foi substituído por uma porta em madeira. Sobre a capela foi inserido um “Registo Devocional” em azulejo – forma de decoração com simbologia religiosa, surgido em Portugal durante o séc. XVIII, com fins de proteção de catástrofes e males diversos. “Para nós, da Semurh é um prazer poder fazer parte da história da nossa cidade, com a reforma desta praça. Em colaboração com a Fumph, não medimos esforços para que este espaço pudesse concretizar uma orientação do prefeito Eduardo Braide que é sempre pensar nas pessoas. É por isto que hoje estamos trazendo de volta um equipamento público reformado, bonito e tão importante da nossa cidade que é espaço de cultura, turismo e incentivando a economia no Centro Histórico de São Luís”, destacou Bruno Costa, titular da Semurh.

A presidente da Fumph, Kátia Bogéa destacou a importância do espaço para o Centro Histórico. “Conseguimos, com o apoio da Semurh e o incentivo do prefeito Eduardo Braide, fazer esta obra que é parte da requalificação da Rua do Giz, que continua ocorrendo. Estamos trabalhando para que o patrimônio fique cada vez mais belo e que a gente tenha qualidade urbanística no Centro Histórico. No entanto, é necessário que a população se aproprie destes espaços com o coração aberto para cuidar”, disse.

Praça

Localizada em uma das áreas de maior movimento turístico da capital, a Praça da Faustina foi erguida em 1986 como parte do Programa de Preservação e Revitalização do Centro Histórico, popularmente conhecido como Projeto Reviver, denominada naquela época, de Praça da Seresta, pois ali era palco de artistas e poetas.

De lá para cá, continuou sendo palco para artistas, poetas e grupos de tambor de crioula, reforçando sua representatividade histórica e cultural para a cidade e, consequentemente, a necessidade de conservação do espaço. Antes da construção do logradouro, o local foi utilizado, entre outras coisas, como estacionamento de repartições públicas próximas e oficina mecânica improvisada.

O nome Praça da Faustina veio posteriormente pela proximidade de um estabelecimento comercial de dona Faustina, ao lado da praça. Hoje, muitos intitulam como Praça do Tambor de Crioula, por ser frequentemente utilizado como pelas rodas de tambor. A atividade, constante, passou a dar significado ao espaço, que abriga uma capela dedicada a São Benedito, tido como o protetor dos negros.

Atualmente, a capela é protegida e cuidada pela produtora cultural Carla Belfort, também conhecida como Carla Coreira. Devota e filha de mestra do Tambor de Crioula, realiza a ação “Capelinha de São Benedito”, que promove a oficina “Mulheres que dão no Couro”. A intervenção foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), quando recebeu o Prêmio Nacional Rodrigo Melo Franco de Andrade.

“A capelinha de São Benedito, que há 10 anos era uma lixeira, foi revitalizada com cultura popular e arte, é um espaço que é nosso e se todo mundo cuidar assim como temos cuidado este tempo todo, vai durar muito tempo”, frisou a produtora cultural Carla Coreira.

A reforma do logradouro foi exaltada por quem acompanhou a entrega. “Acho fundamental a reforma, é muito importante para as manifestações que se apresentam aqui, pois elas representam uma parte importante da nossa história. A iniciativa da revitalização é muito bem-vinda e deve se estender a outros espaços que são ocupados por iniciativas populares em outros bairros da nossa cidade”, observou a professora Cláudia Matos.

Participaram da entrega da Praça da Faustina, a vice-prefeita Esmênia Miranda, os secretários Diego Rodrigues (Semcas), Mariana Miranda (Semad), Saulo Santos (Setur), Liviomar Macatrão (Semapa), controlador-geral do Município, Sérgio Motta, diretor da Blitz Urbana, Victor Cunha, superintendente do Iphan no Maranhão, Maurício Itapary e o vereador Marlon Botão (PSB).

– Publicidade –

Outros destaques