terça-feira, 31 de janeiro de 2023

Professores aderem à paralisação nacional

Foto: Reprodução/TV Guará

Foto: Reprodução/TV Guará

 

SÃO LUÍS – Os professores que atuam na rede pública municipal de ensino de São Luís aderiram a greve que acontece em todo o país, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Eles se reuniram, nesta quinta-feira (30), na porta da Biblioteca Benedito Leite, região central da capital maranhense, para cobrar o aumento do financiamento da educação pública no país.

 

“Nós estamos vendo a realidade das escolas e é preciso esses gestores estarem comprometidos, porque a educação de qualidade se faz não só com melhorias salariais, mas também com espaço digno para os estudantes e educadores”, afirma Raimundo Oliveira, Secretário de Administração do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das Redes Públicas Estadual e Municipal do Estado do Maranhão (Sinproesemma).

 

A categoria pede o cumprimento da Lei do Piso e diz que esta não está no regimento de todos os municípios maranhenses. O Sinproesemma quer, ainda, a nomeação dos excedentes do concurso público de 2009, a realização de um novo certame e a ampliação e unificação de matrículas.

 

Os educadores reclamam também da falta de estrutura adequada nas escolas. “Nós resolvemos parar. A comunidade não aceita mais continuar. A estrutura das escolas. Não tinha mais condições”, justifica a professora Jucineide Scrima.

 

“As escolas públicas de todo o país sofrem depreciação por condições de trabalho, falta de estrutura e São Luís não é diferente”, revela Elizabeth Castelo Branco, presidente do Sindicato dos Profissionais do Magistério do Ensino Público Municipal de São Luís (SindEducação).

– Publicidade –

Outros destaques