terça-feira, 16 de abril de 2024

Torcedores são indiciados por injúrias raciais contra Aranha

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul anunciou nesta terça-feira (30) que quatro pessoas serão denunciadas na Justiça pelas injúrias raciais manifestadas contra o goleiro Aranha, no jogo entre Grêmio e Santos, na Copa do Brasil, realizado em 28 de agosto. A pena para eles na investigação poderá ser de um a três anos de reclusão.

 

Uma das pessoas indiciadas foi Patrícia Moreira, que ficou conhecida pelo público após ser flagrada pelas câmeras da ESPN proferindo a palavra ‘macaco’ para o atleta. Os outros denunciados pela polícia foram os integrantes da Geral do Grêmio: Éder de Quadros Braga, Rodrigo Machado Rychter, Fernando Moreira Ascal. Dois destes têm antecedentes criminais.

 

De acordo com o órgão, Patrícia não tem nenhuma relação com a torcida organizada do clube gaúcho, que costuma se posicionar no setor da arquibancada norte do estádio, local de onde veio as ofensas ao goleiro.

 

O delegado regional de Porto Alegre que acompanha as investigações dos torcedores, Cleber Ferreira, explicou que foram identificadas oito pessoas que cometeram injúrias racistas, mas que tiveram apenas provas concretas contra quatro delas.

 

— Identificamos oito pessoas que manifestaram palavras e gestos raciais contra pessoas de cor. Isto possibilitou trazer para autos provas concretas. E nas provas concretas, identificamos quatro destes oito. Por tanto, temos quatro indiciados.

 

O delegado também prometeu ir atrás de mais suspeitos que possam ter cometido atos racistas contra o goleiro Aranha.

 

— Durante três horas de gravação as peritas conseguiram identificar oito pessoas. Mas o universo não é pequeno, o grupo de pessoas que fizeram e não foram identificadas é grande. Vamos seguir e além das quatro flagradas podem surgir outras.

– Publicidade –

Outros destaques