quarta-feira, 17 de abril de 2024

SES promove Mutirão de Cirurgias Vasculares

Dezesseis pessoas foram beneficiadas, neste sábado (27), com o Mutirão de Cirurgias Vasculares realizadas no Hospital de Alta Complexidade Estadual Dr. Carlos Macieira (HCM), em São Luís. São pacientes que consultaram e fizeram seus exames na rede estadual e aguardavam pelos procedimentos de cirurgia de varizes. As intervenções foram realizadas nos membros inferiores dos pacientes pelas técnicas de ablação por radiofreqüência e pelo método tradicional.

 

O cirurgião vascular e chefe da equipe do HCM, Carlos Alberto Azulay Júnior, disse que, diariamente, são realizadas intervenções de varizes e que o mutirão é uma forma de diminuir o número de pessoas que aguardam esse procedimento, em todo o estado, que são de aproximadamente 80 pessoas. “Estamos utilizando uma técnica moderna por radiofrequência, que possibilita uma intervenção mais rápida, indolor e com recuperação mais breve”, explicou. Sete pessoas foram submetidas ao procedimento convencional.

 

O HCM é único hospital público que realiza este tipo de procedimento no Maranhão. Carlos Azulay explicou que o tratamento com radiofrequência é mais indicado em casos das veias doentes, tronculares e veias de maior calibre como a veia safena. Através deste tratamento não é necessário removê-la. A veia permanece, mas sem ocasionar transtornos circulatórios, e o próprio organismo se encarrega de desviar o sangue que passava por ali para outras veias saudáveis.

 

Procedimento

 

Durante o procedimento, uma microfibra óptica é introduzida na veia doente por punção, guiada por ultrassom. A radiofreqüência aplica energia sob a forma de calor através de um cateter, permitindo inclusive que as ramificações da veia sejam conservadas sem danos. A veia é fechada, perdendo sua função, e o organismo se encarrega de desviar o sangue que passava por ali para outras veias saudáveis, evitando assim a retirada da veia. O pós-operatório da cirurgia de varizes com radiofrequência exige, em média, repouso de apenas dois dias, podendo o paciente retomar as atividades normais após avaliação médica.

– Publicidade –

Outros destaques