terça-feira, 16 de abril de 2024

TVN é condenada por cobrança de ponto adicional de imagem

SÃO LUÍS – O Ministério Público formulou um pedido, acatado pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos, que considerou ilegal a cobrança de ponto adicional de TV a cabo dentro de uma mesma residência, em decisão assinada pelo juiz Douglas Martins, titular da unidade. A ação foi movida contra Telecomunicações Nordeste Ltda – TVN São Luis.

 

De acordo com a ação, a Telecomunicações Nordeste vem cobrando de seus usuários tarifa para ponto adicional de imagem. Em sua tese de defesa, a TVN argumenta que o ponto extra ou adicional possui instalação e estrutura próprias e independentes, de maneira que, no seu entender, não se trata de mera extensão de um ponto, mas sim de ponto independente e autônomo de recepção de serviço de TV a cabo.

 

Ainda de acordo com a empresa, o consumidor que, porventura, necessite da distribuição de imagem em sua residência terá que pagar pelo ponto-extra. Sobre essa exigência, o MP sustenta que tal conduta viola o Código de Defesa do Consumidor, razão pela qual formula o pedido junto à vara. Da Corregedoria de Justiça.

 

Baseado em artigo do Código de Defesa do Consumidor, o magistrado concluiu que ocorrendo cobrança abusiva em desfavor do consumidor, surge-lhe o direito de receber o dobro do valor cobrado, a título de repetição de indébito, salvo nos casos de engano justificável, o que não é a hipótese em deslinde. “Faz-se necessário, portanto, a repreensão firme do Poder Judiciário no sentido de obrigar a parte ré a obedecer aos princípios consumeristas, reparando as lesões causadas, de modo a desestimular condutas atentatórias aos consumidores”, destaca.

 

A Justiça condenou a empresa Telecomunicações Nordeste de forma genérica (art. 95, CDC), à devolução, em dobro, para todos os consumidores que sofreram a cobrança indevida até a data das alterações da Resolução nº 488 ANATEL, 17 de abril de 2009, valores que deverão ser corrigidos pelo INPC a partir do pagamento de cada parcela e acrescidos de juros moratórios de 1% a contar da citação desta ação.

– Publicidade –

Outros destaques